Argentina: a ponta de lança da crise na América Latina (Vídeo)

Argentina: a ponta de lança da crise na América Latina (Vídeo)

Nas recentes eleições parlamentares primárias na Argentina, as PASO, o governo Fernández-Fernández sofreu a sua maior derrota política.

O governo apenas sobreviveu, sem nem sequer contar com o apoio político dos setores mais importantes da burocracia sindical. Os governadores de Córdoba, Mendoza e Santa Fé não apoiam o governo.

A Carta enviada por Cristina Kirchner representou a tentativa de manter a viabilidade do “kirchnerismo” nas eleições presidenciais de 2023.

A política elaborada por Néstor Kirchner para evitar o colapso dos partidos políticos burgueses mais importantes começou a implodir em 2015. Com a crise aberta, nem a própria Cristina Kirchner poderá evitar as PASO dentro do peronismo e da Frente de Todos.

O novo governo Fernández-Fernández não tem a mínima condição política de ir além das eleições de 15 de novembro deste ano. As contradições internas são enormes e continuam aumentando.

Avança a crise, aumenta o conservadorismo

O conservadorismo do novo governo escalou. Elementos como Aníbal Fernández ou Sabina Frederic representam o fortalecimento dos mecanismos repressivos.

O novo chefe de Gabinete, Juan Manzur, é inimigo do governo de Tucumán, da mesma maneira que acontece com outros funcionários do alto escalão do governo federal.

A política representada por Martín Guzmán, o ministro da Economia, é unanimidade para todo o regime político, sob forte pressão do imperialismo norte-americano, independentemente de eventuais mudanças. 

Além de ter favorecido a troca de bilhões de pesos em dólares pelos grandes da especulação financeira, continua submetido às submissões ao FMI (Fundo Monetário Internacional). O direcionamento geral é a aplicação de medidas ainda mais duras contra as massas e a imposição de que sejam validadas pelo novo Congresso.

Essa mesma política foi aplicada pelo governo da Província de Buenos Aires, do elemento mais à esquerda do Kirchnerismo, Axel Kicillof.

A crise acelera e provoca o empobrecimento generalizado.

A burguesia impulsiona os setores mais direitistas como o relevo para impor a saída mais pró-imperialista possível. Não por acaso, sob os estertores do governo Fernández-Fernández, ressurgiu o macrismo, os radicais, o peronismo republicano e apareceu o proto-fascista Javier Milei; na Província de Buenos Aires e na Capital Federal conseguiram mais de dois terços dos votos.

Rumo a enfrentamentos abertos

Clique na imagem e entenda mais sobre o governo de Alberto Fernández: nada contra as privatizações, muito pelo contrário

A crise política na Argentina reflete o aprofundamento da crise capitalista mundial na América Latina. No Brasil, na Colômbia, e em toda a região a crise continua avançando sob forte pressão da burguesia imperialista que busca repassar o grosso da crise para seu quintal traseiro.

Nos encontramos em frente à repetição da crise dos anos de 1980, mas num estágio superior. O capitalismo se encontra muito mais podre, apesar de ser muito mais agressivo.

A fortíssima pressão do capital coloca os trabalhadores e as massas perante a necessidade imperiosa de levantar-se para sobreviver.

A crise aumenta as fissuras do regime de conjunto. Essa é a base do aumento da luta entre as classes sociais e as frações de classes. É a luta do salve-se quem puder.

A falta de organizações de massas é um fator de fraqueza dos trabalhadores e das massas, mas ao mesmo tempo é uma fraqueza dos componentes sociais da contenção da crise capitalista.

No próximo período, devemos esperar guerras e contrarrevoluções, levantes de massas, e o fascismo e ditaduras cada vez mais truculentas; o enfrentamento aberto entre os trabalhadores e a burguesia mundial.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria