A 60 anos da invasão de Praia Girón

A 60 anos da invasão de Praia Girón

No dia 17 de abril de 1961, o imperialismo norte-americano iniciou a invasão de Cuba pelas praias Larga e Girón, com oito navios, dos unidades de guerra e quatro lanchas.

O objetivo era criar uma ponte de praia, tomar um aeroporto, alocar aí um governo provisório a partir dos Estados Unidos que solicitaria oficialmente a invasão. O fracasso foi estrepitoso.

Em menos de três dias, as FAR (Forças Armadas Revolucionárias) e o povo cubano derrotaram a invasão.

Os revolucionários cubanos demonstraram que a aplicação consistente de uma proclamação democrática como a enunciada por Fidel Castro em seu apelo feito em “A História me absolverá”, só poderia ser realizada se fosse assumida no sentido de expropriar a burguesia e expulsar o imperialismo, fato que aconteceu com a vitória da invasão mercenária montada pelo imperialismo em Playa Girón. 

Em 1º de janeiro de 1959, o triunfo do Movimento 26 de julho e de seu Exército Rebelde sobre a tirania de Batista em Cuba abalou o Continente. A cabeça e a espinha dorsal da ditadura foram destruídas em uma curta guerra revolucionária e abriu uma época revolucionária nas próprias mandíbulas do colosso imperialista. Caiu o mito do fatalismo geográfico sobre a suposta impossibilidade de revoluções em Nossa América. A sonolência e a resignação que os reformismos e populismos semearam foram abaladas. 

A revolução em América Latina é uma tarefa continental

A Revolução ininterrupta no isolado Território Livre rapidamente entendeu que seu destino estava inexoravelmente ligado ao de todo o Continente. 

O Che Guevara incorporou na política e em seu compromisso pessoal, a ideologia internacionalista. Ele resumiu a estratégia em 1967 da seguinte forma: “As burguesias indígenas perderam toda a sua capacidade de se opor ao imperialismo – se é que alguma vez a tiveram – e apenas formaram sua cola. Não há mais mudanças a fazer: ou uma revolução socialista ou uma caricatura de uma revolução ”. 

Foi a época em que o Vietnã heroico resistiu à barbárie imperialista no extremo do Sudeste da Ásia. É por isso que ele propôs: “Criar dois, três, muitos Vietnãs …”.

O imperialismo norte-americano rapidamente impôs uma estratégia de contra-insurgência com várias táticas. Por um lado, propostas com aparências reformistas para impedir que os movimentos de massa se juntem ao entusiasmo despertado pela Revolução Cubana.

Na Conferência da OEA (Organização dos Estados Americanos) em Punta del Este em 1961, o Che previu seu fracasso. Assim nasceu no Chile a falsamente denominada “revolução em liberdade” do democrata-cristão Eduardo Frei. 

Por outro lado, reforçando velhas ditaduras e impondo novas. Sua brutalidade e intolerância se repetiram com uma nova invasão militar da República Dominicana em 1965, antes de outra tentativa de reforma de curta duração. 

O Chile viu florescer a mais avançada experiência de reformismo político e social em 1970, encabeçado pelo já lendário Salvador Allende, com a proposta expressa de atingir a meta socialista modificando a economia e a sociedade em etapas sucessivas a partir da superestrutura do estado burguês. 

Mas a intolerância dessa burguesia e desse imperialismo a qualquer tipo de reformas afogou no sangue essa utopia reformista. O golpe em 1973 marcou o início de uma nova era de terrorismo de estado. Essa modalidade de ditadura contrarrevolucionária alcançou até territórios impensáveis, como o Batllista e branco Uruguai, rotulado como uma “Suíça americana” pelos manipuladores da história e da política.

A Revolução Cubana acordou a América Latina

De um extremo ao outro do nosso Continente, na década de 1960, houve uma explosão de lutas operárias, camponesas e estudantis. 

Em 1968, o massacre de Tlatelolco ocorreu no México. 

Em 1969, o Cordobazo inaugurou uma nova era na Argentina. 

Simultaneamente, floresceram importantes correntes políticas revolucionárias, muitas das quais organizaram destacamentos insurgentes. Os lutadores pensantes assumiram a vanguarda dessa empreitada, assumindo o legado do marxismo revolucionário e do Che Guevara, dando formas nacionais à luta continental. 

A lista é extensa e seu resgate é imprescindível, pois a construção do futuro precisa se nutrir da Memória Histórica e de seus ensinamentos. O chileno Recabarra, Mariátegui, Raúl Sendic, Carlos Fonseca, Lucio Cabañas, Camilo Torres, Mario Roberto Santucho, Miguel Enríquez, Carlos Marighela, Coco e Inti Peredo, Jaime Bateman, dentre outros. A lista é tão extensa quanto a força que este impulso revolucionário teve. Seus textos são nossa fonte de aprendizado, com seu heroísmo, seus fracassos e derrotas como fonte de nosso aprendizado histórico.

A revolução continental colocada para o próximo período e que promovemos se baseia nas necessidades sociais, políticas, econômicas e culturais das classes trabalhadoras. Um componente importante dessa política a recuperamos da experiência deixada pelo Che Guevara: “Revolução Socialista ou caricatura da revolução”. Reafirmamos essa ideia, porque as revoluções foram a exceção e as caricaturas de revolução, muitas.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

Clique acima para saber sobre as nossas reivindicações!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria