A CARTA DO CHE A FIDEL QUE NUNCA FOI PUBLICADA

A CARTA DO CHE A FIDEL QUE NUNCA FOI PUBLICADA

Carta a Fidel

La Habana, 26 de março de 1965

«Ano da Agricultura»

Fidel:

Trago à sua atenção o conjunto de minhas ideias sobre alguns dos problemas básicos do Estado. Vou tentar ser o mais concreto possível e tentar fazer críticas construtivas, caso isso possa servir para melhorar alguns problemas que continuam sérios.

Além disso, gostaria de lhe dar uma breve explicação do nosso conceito de enteléquia chamado “Sistema de Financiamento Orçamentário”, por outro lado, também estaria interessado em falar sobre o Partido e, finalmente, fazer recomendações gerais.

Esta exposição terá quatro pontos:
  1. Erros na Política Econômica.
  2. O Sistema de Financiamiento Presupuestário.
  3. A Função do Partido.
  4. Recomendações Gerais.

Quando todos nós começamos a aprender sobre essa marcha rumo ao comunismo, estabelecemos, com a ajuda dos tchecos, o Conselho Central de Planejamento [Juceplan]. Eu acho que está claro para todos que o planejamento é uma categoria implícita para o socialismo e também para esse período de transição que estamos vivendo.

O ruim é que, até agora, não conseguimos organizar um plano que seja realmente um canal condutor e não uma válvula maluca que às vezes deixa os gases passarem livremente e outras vezes fecha hermeticamente, colocando a caldeira em risco de explodir.

Apesar de todos os erros do plano, da orientação e da concepção do Conselho Central de Planejamento, acho que todos concordamos que há uma série de linhas hierárquicas de comando no setor econômico que devem ser respeitadas. Entende-se que o governo cria ideias de desenvolvimento econômico-político, ideias que provêm das iniciativas dos líderes e também, se possível, dadas as condições, da própria população.

Eles devem ser repassados ​​à Diretoria, que os analisará e reconciliará e, em seguida, fará uma recomendação. O governo aprovaria ou corrigia esses números, já comissionando a preparação do plano, e a Junta prepararia o plano, em discussão com todas as organizações, quando for um plano anual, mas com base em um plano em perspectiva no qual eles possam ser levados em consideração. conta os principais organismos como consultores.

Funcionamos como se essa ficção fosse real, mas, na prática, o que estava acontecendo?

A suposta transferência de ideias de desenvolvimento pelo governo era simplesmente uma compilação de algumas ideias frouxas que o Conselho harmonizou ao colocar a sua e elevar o governo. Após uma análise extremamente superficial, essas linhas de desenvolvimento foram aprovadas, algumas vezes alterando certas coisas, sempre em um plano anual, pois todos os planos de perspectiva falharam antes do início.

O Conselho começou a fazer seus planos com a ideia de restringir o desequilíbrio, mas, ao mesmo tempo, recebendo pressão de todas as organizações produtivas e não produtivas. Dessa forma, o plano estava muito desequilibrado, estava ficando tarde e você teve que correr para o exterior para pedir desequilíbrios, ajuda, entendimento, etc., etc. Em seguida, o Conselho foi responsável por complicar as coisas com seus próprios erros.

Acho que cometemos muitos erros de natureza econômica. A primeira delas, a mais importante, é a improvisação com a qual desenvolvemos nossas ideias, o que resultou em uma política instável. Improvisação e subjetivismo, eu diria. De tal maneira que foram dadas metas que envolviam crescimentos impossíveis.

Nos primeiros momentos, esses crescimentos impossíveis foram planejados de forma orgânica, com base em modelos globais nos quais se esperavam crescimentos de até 15 ou 20% ao ano. Mais tarde, isso mudou, mas a dispersão e a falta de centralização das decisões econômicas permitiram a cada um dos organismos promover planos que, por si só, eram viáveis ​​de executar, mas que, juntos, impossibilitavam o cumprimento das metas estabelecidas; e é assim que atingir 90% de um plano é considerado um feito real em nosso país.

Por esse motivo, também foram realizados investimentos injustificados, que variaram ou foram eliminados antes da finalização, mas também sem justificativa adequada. Casos como esses que temos na promoção do arroz e sua subsequente restrição, na promoção do milho e na sua subsequente restrição, a do milho, algodão, dos porcos, certos investimentos em gado que não me parecem justificados, os da pesca e boa parte da política de aves. Tudo isso no campo da agricultura.

No campo da indústria, cometemos erros semelhantes quando se trata de investimentos. A Antillana de Acero, por exemplo, é um monstro que começou, como sempre começamos, a ser atraído pelo nariz; Agora as pernas do monstro não cabem no papel. A política de desenvolvimento de cimento, baseada em um conceito muito amplo de desenvolvimento global e que provou ser excessiva. A criação de fábricas de conservas que atualmente não estão funcionando. Outras fábricas que exigem matérias-primas importadas da área do dólar, sem realmente resolver problemas. O mais representativo desse tipo é o INPUD, embora, do ponto de vista da construção e da racionalização da produção, seja um dos melhores que já fizemos: mas existem inúmeros deles que todos conhecemos e que têm as características indicadas.

Muitas vezes, contribui para ter uma tecnologia muito atrasada, por exemplo, os rádios poloneses. Para completar, cometeríamos o mesmo erro na televisão, até que parássemos. Estes são todos os investimentos que devem ser pagos e pagos com muito carinho. Dentro deste grupo, você poderia colocar a construção de barcos de pesca que não se justificam atualmente, devido ao alto preço da madeira e à sua falta; Eu acho que o ferro poderia ser justificado, mesmo que fosse mais caro do que os do mercado mundial, desde que adotado como uma linha de desenvolvimento que daria prejuízos hoje como parte do aprendizado.

Também neste capítulo de investimentos injustificados, vemos a aquisição de navios de cruzeiro em um momento em que a empresa não possui uma organização para lidar com o aumento de suas unidades. Portanto, os navios que deveriam ter sido nossos salvadores da moeda tornaram-se apenas outra fonte de gastos, praticamente sem solução de problemas.

Embora as necessidades fossem mais urgentes, o mesmo pode ser dito do grande número de ônibus adquiridos quando a manutenção adequada poderia ter resolvido alguns problemas; Talvez pudéssemos ter comprado menos ônibus. A política pecuária, sem as condições mínimas para aclimatá-la, na época passada, possui essas características, bem como os barcos de pesca comprados em quantidades excessivas à nossa capacidade organizacional. E há outros menores; poderíamos mencionar o turismo que, ao mesmo tempo, era considerado a grande fonte de divisas e onde alguns milhões de pesos foram enterrados.

Além disso, foram tomadas linhas gerais de ação falsas.

Poderíamos mencionar no setor o caso de substituição de importações, que foi a primeira política adotada por nós; a pretensão de auto-suficiência ilusória por enquanto; os erros bem conhecidos da demolição da cana, dos alimentos importados para bovinos e suínos. Eu também acredito que a compra de fertilizantes a preços fabulosos responde a uma política mal pensada e à supressão de algumas exportações que costumamos fazer e que poderíamos facilmente ter mantido; Neste momento, estou pensando em mariscos, alguns tipos de tabacos, a corda henequen.

Insisto em que, mesmo quando todos esses erros são divididos em mais ou menos graves, mais ou menos fatais, o fundamental é dado pela política de vacilar e a política de vacilar é dada pelo tratamento superficial, por um lado, e subjetivo, por outro, de todos os problemas da economia. No entanto, a economia mostrou que possui uma série de leis e que violá-las é muito cara.

Outras séries de erros menores podem ser apontados, é claro, que às vezes tiveram um grande impacto em nossa gestão econômica, por exemplo, a falta de demanda por responsabilidade nas equipes de gestão, que não são monitoradas, portanto, não são criticadas. a tempo e retirar-se violentamente mais tarde. Isso faz parte dos grandes problemas que o Estado tem que pretendo enfrentar também.

Também vimos uma política de gastos alegre que deve ser repentinamente corrigida e é assim com terrível drasticidade, prejudicando a economia com muita dureza, já que não há mais discriminação suficiente no corte.

Em geral, pode-se dizer que falta a consciência da organização como um dos pilares do desenvolvimento; Quando o caos administrativo é extremo, ele leva a certas mudanças na estrutura, congelamentos ou ações intermediárias são realizadas em busca de soluções, outras vezes as caixas de gerenciamento são removidas.

O último significa alguma melhoria; Obviamente, uma boa pintura funciona infinitamente melhor do que uma pintura medíocre ou ruim, mas também deve ser levado em consideração que, por melhor que seja a pintura, se a estrutura organizacional geral o impedir, ela poderá executar apenas uma tarefa limitada.

Os níveis de decisão são muito indefinidos; Pessoalmente, essa tem sido uma das minhas preocupações durante todo o período do Ministro das Indústrias, mas só tivemos realmente sucesso aqui até a definição do nível de Diretor e, em alguns casos, Chefes de Departamento; mais abaixo, nos centros de produção, há incerteza suficiente para resolvermos por meio da centralização administrativa, geralmente excessiva.

Em outros organismos produtivos, acho que a falta de definição foi ainda maior, mas como não há disciplina administrativa, a anarquia foi total; As soluções individuais para problemas únicos estão na ordem do dia e às vezes provocam uma atitude contemplativa das unidades de produção, esperando para ver o que aconteceu.

Todo esse maremágnum organizacional foi sentido muito especialmente na esfera de serviços e agricultura, onde as mudanças estruturais foram mais profundas; pelo menos eles foram muito mais profundos do que na indústria em que a estrutura anterior foi preservada; De qualquer forma, as fábricas foram consolidadas, unidades maiores foram construídas, outras foram anuladas, mas mantendo um sistema organizacional.

Nestas, praticamente tudo teve que ser alterado e os resultados foram realmente desastrosos até agora. Por todos esses motivos, as informações não fluíram com correção suficiente e, portanto, o controle falhou completamente.

Às vezes, tentamos resolver o problema da organização por meio de diagramas – os famosos organogramas que você tanto odeia – e a criação de posições para ocupar o buraco do organograma, sem atenção à capacidade da mesa e sem ter havido, em muitos aspectos, um adequado sistema de treinamento de pessoal no local de trabalho.

Sei que seu argumento é que, nos lugares em que você ocupou, isso não aconteceu, o que é real, mas acho que, se você fizer uma pequena análise, concordaria comigo que não pode ser admitido porque é o Chefe de Estado e até recentemente, diretamente responsável pela economia em Juceplan. Seus sucessos isolados destacam apenas o que poderia ter sido feito com uma política geral nos aspectos fundamentais.

A tudo isso devem ser adicionados os erros do Conselho Central de Planejamento.

Como já dissemos, o primeiro erro foi copiar os tchecos de seu sistema organizacional (eles o rejeitaram hoje, mas não devemos nos preocupar com isso, porque eles o rejeitaram por um problema muito pior e claramente capitalista, mas o fato de que foi considerada a possibilidade de controle extremo de toda uma série de índices que a organização cubana não estava em condições de fazer).

O Juceplan I o concebe como um órgão de elaboração da política econômica do governo, de maneira concreta e de controle da mesma em seus diversos aspectos. O grau em que essa elaboração e esse controle podem ser realizados não pode ser especificado, ou eu não posso especificá-lo, de maneira concreta, e acredito que não conhecer precisamente esses graus nos levou à situação atual. Mas para ter essas funções, o Conselho tinha que ter uma capacidade executiva que lhe faltava o tempo todo e que hoje ainda falta.

O Conselho não conseguiu dirigir a economia.

Todos nós já vimos essa incapacidade. Em um determinado momento, acho que foi fatal que isso tenha acontecido, mas nenhum de nós que passamos pela Diretoria conseguiu organizar o que em um momento eu pretendia fazer: um aparato de controle e análise sério o suficiente para que, a certa altura, dado que, naturalmente, a direção da economia caiu em suas mãos quando ele foi demonstrado pela continuidade de seu trabalho, seus avisos e suas análises.

Os métodos de cálculo são antigos no momento; A revolução técnica também atingiu a economia: novos métodos matemáticos permitem análises muito mais profundas. Além disso, há boa parte da economia burguesa da qual se podem extrair ferramentas de cálculo que até agora a economia socialista ignorou e da qual apenas extraiu as mais negativas e significativamente capitalistas, pois é a ferramenta de controle por o mercado.

Desse modo, em relação às organizações que estavam avançando na elaboração de seus planos e conheciam suas realidades concretamente, os avisos globais, presunçosos e de falta de realidade da Diretoria não tiravam seu prestígio. Desde o primeiro episódio dos 24 milhões de pares de sapatos e a enorme exportação de madeira, prevista no primeiro plano, até hoje, o descrédito do Conselho vem crescendo e os quadros intermediários já perderam totalmente a fé.

Você não sabe o que são terríveis maratonas para cumprir os planos em tempo hábil (como é dito em nossa língua) e que eu forcei todos os níveis do Ministério a realizar sempre, mas em todos, inclusive eu, ficou claro a ideia de que esse plano seria modificado antes mesmo de ser executado e, de fato, era.

É por isso que todos os responsáveis ​​pela economia do país, nas diferentes esferas da produção, sentem uma grande decepção e têm uma crescente falta de fé na autoridade central.

Hoje, com a incorporação de [Osvaldo] Dorticós, houve algumas mudanças qualitativas em relação a essa autoridade e, além disso, mudanças específicas em relação aos métodos de relacionamento, mas isso ainda não pode ser sentido mais e se não há mudanças. estrutural e conceitual – estrutural que corresponde a um novo conceito – que, por sua vez, se vincula à realidade do país e, se o Conselho não receber a autoridade executiva real de que precisa, enquanto estiver encarregado de preparar os planos, continuaremos um caminho semelhante.

Hoje, a Diretoria recebe uma quantidade considerável de dados econômicos; pela minha experiência nas indústrias, sei que são suficientes para análises muito aprofundadas; no entanto, a capacidade de análise da Diretoria, que sempre foi muito baixa, permanece em níveis próximos a zero . Sem mencionar que a mesma estrutura ou, digamos, as mesmas figuras do aparelho em suas partes superiores, são incapazes de ajudar Dorticos na realização prática dos planos, por menores que sejam.

O individualismo mais absoluto e a política das panelinhas deformaram totalmente a estrutura da Junta. A tal ponto é tão sério que chegou a cobrir o problema principal; isto é, o Conselho como um organismo ineficaz e desorganizado, cheio de brigas e lutas, está em tal confusão que às vezes se pensa que é o aspecto fundamental e, de fato, o aspecto fundamental e que tem um grande impacto nessas questões secundárias, é ele quem não dirige a economia; de tal maneira que, mesmo quando as reestruturações são boas, elas nos aproximam de uma organização melhor, etc., etc., não se pode dizer de forma alguma que, ao estruturar o Conselho como um aparato, isso melhore as coisas.

Não posso falar dos novos projetos de reorganização, embora, em princípio, pareçam corretos, porque não os conheço o suficiente, mas, de qualquer forma, deve-se notar que esse não é o aspecto fundamental, embora seja bastante importante, mas a verdadeira autoridade que terá a agência encarregada de fazer e controlar os planos e sua capacidade de se impor aos executores.

Outro dos capítulos mais importantes de nossos erros é o que corresponde ao comércio exterior [MINCEX].

Não vale a pena falar sobre os erros práticos, a bagunça da moeda, é simplesmente a consequência de uma total desorganização e falta de visão do Conselho, do Banco e do Comércio Exterior, neste caso.

Entendemos o comércio exterior como um órgão encarregado de fornecer açúcar onde quer que ele queira e comprar coisas. E é verdade que o açúcar é nosso produto fundamental, mas precisamente essa política foi cega para as necessidades mais básicas de nossa economia. Nós temos uma economia aberta; Continuamos a manter essa estrutura e teremos que mantê-la por um longo tempo.

A incidência do mercado externo, de suprimentos externos no setor, é realmente importante: atinge 19% da produção industrial bruta do Ministério. De tal maneira, que uma redução no comércio exterior afeta imediatamente a indústria, agricultura, investimento, comércio interno, transporte, etc.

Nossa base industrial fraca e, além disso, deformada, não permite o abastecimento da agricultura ou do povo em geral, e temos que comprar produtos no exterior. Mas os balanços não existem na Cuba revolucionária; e mesmo que o método do equilíbrio possa ser chamado de artesão, ele tem seus benefícios; como conceito, você deve usá-lo.

Separamos as importações e as exportações em compartimentos estanques: as exportações eram a soma do açúcar que poderia ser produzido mais a soma de alguns outros produtos que os produtores, INRA e nós queríamos entregar, e as importações eram a soma do que cada um dos organismos que possuía alguma força (e quase todos tiveram força, porque em quase todos houve algum plano especial que deve ser feito).

Agora, estamos fortemente endividados e, o que é pior, endividados com alimentos, com o uso de trens de consumo direto ou com investimentos mal concebidos; para que nossa dívida nunca possa ser recuperada com a maior contribuição que nossas instalações fizeram com o empréstimo que causou a dívida.

Nossa capacidade de importação diminuiu consideravelmente devido à falta de açúcar e, no entanto, não procuramos a última esquina para tentar ganhar um pouco mais de peso em tudo. O comércio exterior fez uma política de grandes vendas em grandes clientes; está totalmente despreocupado com o pequeno fornecedor ou consumidor, que, além disso, pode eventualmente ser um mercado que pode complementar o nosso e, na África, é possível fazer isso, por exemplo; Penso que na Europa e em outros lugares também, mas na África, sei que pequenas operações poderiam ter sido realizadas, o que não significaria nada em comparação com as figuras monstruosas do nosso comércio exterior, mas isso teria sido um passo que poderia ter sido seguido por outro e outro.

Nosso comércio exterior não conseguiu planejar a longo prazo. É verdade que as limitações dos planos comerciais anuais – a forma mais macabra de imobilização da economia que pode ser inventada – levaram muito tempo, mas ele não teve a agilidade de criar o que vem caindo do mato há anos: um fluxo contínuo de uma série de matérias-primas fundamentais, como é feito no petróleo, por exemplo, onde o problema é reduzido para ajustar quantidades todos os anos, mas os valores fundamentais já foram atribuídos. Isso pode ser feito com todos os países do mundo; Os capitalistas, nesse sentido, também planejam.

Em suma, o conceito de comércio exterior estava ausente em toda a economia como sua pedra angular e, na ausência desse conceito, veio todo o resto.

A orientação dada deve ser alterada e cada dólar alcançado ou economizado deve ser nossa tarefa número um e, em segundo lugar, economia nos custos do contrato, mas também atendê-los e sem desperdiçar recursos.

Até agora, uma política muito rigorosa não foi seguida para buscar a substituição do dólar por uma moeda da aliança e depois a análise das possibilidades internas de substituição.

O MINCEX pode fazer muito, mas não apenas; deve ser hierárquico e incorporado ao aparato da economia interna, na verdade liderado por Juceplan. O método estabelecido nas indústrias que permite a inspeção total da produção exportável de tabaco pelo MINCEX deve ser estendido a todas as relações do aparato de comércio exterior com a economia interna e vice-versa, deve ser capaz de inspecionar a gestão externa do MINCEX e ajudá-lo.

Esse sistema de relações também deve ser implantado na economia interna entre si, para que as indústrias controlem as produções necessárias para o INRA (como tabaco em bruto, por exemplo) e o INRA (maquinaria agrícola etc.).

Embora já tenha falado sobre investimentos injustificados, também gostaria de enfatizar, como um caso específico que retrata todo o nosso panorama econômico, a maneira como os investimentos são feitos.

Começamos a pagar o equipamento aos países socialistas imediatamente após assinarmos contratos; Esses contratos são cumpridos e o produto é enviado, dormindo por anos em diferentes armazéns ou ao ar livre no país, enquanto a força de trabalho, equipamentos ou materiais destinados a realizar esse trabalho são urgentemente movidos para fazer outra última momento Obras cujo equipamento está sendo pago no exterior para realizar outras que, infelizmente, geralmente são inúteis, ficam paralisadas.

Não vale a pena dar exemplos que todos sabemos, o importante é garantir que você tenha a disciplina mínima de não impor ao MICONS mais um trabalho sobre o plano, se você não se comprometer a fazê-lo sem tocar nos que são (exceto, naturalmente, esse é um problema de extraordinária urgência real).

Não esqueça também que as pessoas têm que morar em uma casa e que estamos construindo cada vez menos casas, gastando cada vez menos em casas, mas cada casa, individualmente, custa mais, de modo que nossos preços caem constantemente e esse estado de coisas você tem que mudar isso.

Agora, apresentarei a vocês toda a brevidade e síntese de que nossas ideias sobre o Sistema Orçamentário são capazes.

Essas ideias nascem da experiência prática e mais tarde se tornaram teoria. Por razões de exposição, farei algumas considerações históricas aqui, antes de tudo, para tentar finalizar a concepção.

Marx estabeleceu dois períodos para alcançar o comunismo, o período de transição, também chamado socialismo ou o primeiro período do comunismo, e desenvolveu completamente o comunismo ou comunismo.

Partiu da ideia de que o capitalismo como um todo estaria condenado a uma ruptura total depois de alcançar um desenvolvimento em que as forças produtivas colidissem com as relações de produção, etc. e vislumbrou o primeiro período chamado socialismo, para o qual não passou muito tempo, mas no Crítica ao Programa de Gotha, ele o descreve como um sistema em que uma série de categorias mercantis já está suprimida, como resultado da qual a sociedade totalmente desenvolvida passou para o novo estágio.

Depois vem Lenin, sua teoria do desenvolvimento desigual, sua teoria do elo mais fraco e a realização dessa teoria na União Soviética, e com ela um novo período imprevisto de Marx é implantado.

Primeiro período de transição ou período de construção da sociedade socialista, que mais tarde se torna uma sociedade socialista para se tornar a sociedade comunista em suma. Neste primeiro período, os soviéticos e os tchecos afirmam ter passado; Penso que não é esse o caso objetivamente, uma vez que ainda existem várias propriedades privadas na União Soviética e, é claro, na Tchecoslováquia. Mas o importante não é isso, mas a economia política de todo esse período não foi criada e, portanto, estudada.

Depois de muitos anos desenvolvendo sua economia em uma determinada direção, eles transformaram uma série de fatos palpáveis ​​da realidade soviética em supostas leis que governam a vida da sociedade socialista.

Acho que é aqui onde está um dos erros mais importantes. Mas o mais importante, na minha opinião, está estabelecido no momento em que Lenin, pressionado pelo imenso acúmulo de perigos e dificuldades que pairavam sobre a União Soviética, o fracasso de uma política econômica, extremamente difícil de transportar, por outro lado. , volta a si e estabelece a NEP, retomando velhas relações de produção capitalista. Lenin se baseou na existência de cinco estágios na sociedade czarista, herdados pelo novo estado.

O que precisa ser destacado é uma existência claramente definida, de pelo menos dois Lenin (talvez três), completamente diferente: aquele cuja história termina especificamente no momento em que ele escreve o último parágrafo de O Estado e a Revolução, onde ele diz estar muito mais importante do que falar sobre o assunto e o subsequente em que você deve enfrentar problemas reais. Observamos que provavelmente houve um período intermediário de Lenin em que ele ainda não retirou todas as concepções teóricas que guiaram sua ação até o momento da revolução.

De qualquer forma, a partir do ano 21 e até pouco antes de sua morte, Lenin iniciou a ação propícia à criação da NEP e ao transporte de todo o país para as relações de produção que configuram o que Lenin chamava capitalismo de estado, mas que em realidade também pode ser chamada de capitalismo pré-monopólio em termos da ordenação das relações econômicas.

Nos últimos períodos da vida de Lenin, lendo com atenção, observa-se uma grande tensão; Há uma carta muito interessante ao Presidente do Banco, onde ele ri de seus supostos lucros e critica pagamentos entre empresas e lucros entre empresas (papéis que vão de um lugar para outro).

Que Lenin, também sobrecarregado pelas divisões que vê dentro do partido, desconfia do futuro. Embora seja absolutamente subjetivo, parece-me que, se Lenin tivesse vivido para dirigir o processo do qual ele era o ator principal e que tinha totalmente em suas mãos, teria variado com notável velocidade as relações estabelecidas pela Nova Política Econômica.

Muitas vezes, naquela última época, falava-se em copiar algumas coisas do capitalismo, mas no capitalismo, na época, alguns aspectos da exploração, como o taylorismo, que não existiam hoje, estavam em ascensão; Na realidade, o taylorismo nada mais é do que o stakhanovismo, peça simples e pura ou, melhor dizendo, peça vestida com uma série de enfeites e esse tipo de pagamento foi descoberto no primeiro plano da União Soviética como uma criação da sociedade soviética.

O fato real é que todo o andaime jurídico econômico da atual sociedade soviética parte da Nova Política Econômica; nisso, as velhas relações capitalistas são mantidas, as velhas categorias de capitalismo são mantidas, ou seja, existe a mercadoria, existe, de certa forma, o lucro, os juros cobrados pelos bancos e, naturalmente, há o interesse material direto dos trabalhadores.

Na minha opinião, todo esse andaime pertence ao que poderíamos chamar, como já disse, de capitalismo pré-monopólio. As técnicas de gestão e as concentrações de capital ainda não eram tão grandes na Rússia czarista que permitiam o desenvolvimento de grandes confianças. Estavam nos dias de fábricas isoladas, unidades independentes, algo praticamente impossível de encontrar na indústria americana hoje, por exemplo.

Hoje, nos Estados Unidos, existem apenas três empresas fabricantes de automóveis: Ford, General Motors e todas as pequenas empresas – pequenas para o caráter dos Estados Unidos – que se uniram para tentar sobreviver. Nada disso aconteceu na Rússia naquela época, mas qual é o defeito fundamental de todo o sistema? Isso limita a possibilidade de desenvolvimento através da competição capitalista, mas não liquida suas categorias ou implanta novas categorias de caráter superior.

O interesse material individual era a arma capitalista por excelência e hoje pretende ser elevado à categoria de alavanca de desenvolvimento, mas é limitado pela existência de uma sociedade onde a exploração não é permitida. Sob essas condições, o homem não desenvolve todas as suas fabulosas possibilidades produtivas, nem se desenvolve como construtor consciente da nova sociedade.

E para ser consistente com o interesse material, isso é estabelecido na esfera improdutiva e na esfera dos serviços. Então os grandes marechais com salários de grandes marechais, os burocratas, os dachas e as cortinas aparecem nos carros dos hierarcas. Essa é a justificativa, talvez, do interesse material dos líderes, o princípio da corrupção, mas, de qualquer forma, é consistente com toda a linha de desenvolvimento adotada onde o estímulo individual tem sido a força motriz, porque está lá, no indivíduo, onde, com interesse material direto, trata-se de aumentar a produção ou a eficácia.

Por outro lado, esse sistema apresenta sérios obstáculos em sua automação; a lei do valor não pode jogar livremente porque não possui um mercado livre, onde produtores lucrativos e não lucrativos, eficientes e não eficientes, competem e os que não são eficientes passam fome.

É necessário garantir uma série de produtos para a população, preços para a população etc., etc., e quando for resolvido que a lucratividade deve ser geral para todas as unidades, o sistema de preços é alterado, novas relações são estabelecidas e estabelecidas.

A relação com o valor do capitalismo está totalmente perdida, a qual, apesar do período de monopólio, ainda mantém sua característica fundamental de ser guiada pelo mercado e de ser uma espécie de circo romano onde a vitória mais forte (neste caso, as mais fortes são detentores da técnica mais alta).

Tudo isso levou a um desenvolvimento vertiginoso do capitalismo e a uma série de novas técnicas totalmente removidas das antigas técnicas de produção. A União Soviética compara seu progresso com os Estados Unidos e fala de mais aço sendo produzido do que naquele país, mas nos Estados Unidos não houve interrupção do desenvolvimento.

O que acontece então?

Simplesmente esse aço não é mais o fator fundamental na medição da eficiência de um país, porque há química, automação, metais não ferrosos e, além disso, é preciso ver a qualidade dos aços.

Os Estados Unidos produzem menos, mas produzem uma grande quantidade de aço de qualidade muito superior. A técnica tem sido relativamente estagnada, na grande maioria dos setores econômicos soviéticos. Porque Como era necessário criar um mecanismo e dar-lhe automatismo, estabeleça as leis do jogo em que o mercado não atue mais com sua implacabilidade capitalista, mas os mecanismos que foram criados para substituí-los são mecanismos fossilizados e aí começa a bagunça tecnológica.

A falta do ingrediente da competição, que não foi substituído, após os brilhantes sucessos que as novas sociedades obtêm graças ao espírito revolucionário dos primeiros momentos, a tecnologia deixa de ser o fator propulsor da sociedade. Isso não acontece no ramo de defesa. Porque é uma linha em que a rentabilidade não existe como norma de relacionamento e onde tudo está estruturado a serviço da sociedade para realizar as criações mais importantes do homem para sua sobrevivência e a da sociedade em formação.

Mas aqui o mecanismo falha novamente; os capitalistas têm o aparato de defesa intimamente ligado ao aparato produtor, uma vez que são as mesmas empresas, são negócios gêmeos e todos os grandes avanços feitos na ciência da guerra passam imediatamente para a tecnologia da paz e os bens de consumo saltos de qualidade verdadeiramente gigantescos.

Na União Soviética, nada disso acontece: são dois compartimentos estanques e o sistema de desenvolvimento científico da guerra serve de maneira muito limitada à paz.

Esses erros, desculpáveis ​​na sociedade soviética, os primeiros a iniciar o experimento, são transplantados para sociedades muito mais desenvolvidas ou, simplesmente, diferentes, e uma chega a um beco sem saída, causando reações de outros estados. O primeiro a se revoltar foi a Iugoslávia, depois a Polônia e, nesse sentido, agora são a Alemanha e a Tchecoslováquia, deixando a Romênia sem características especiais.

O que acontece agora Eles se rebelam contra o sistema, mas ninguém procurou onde está a raiz do mal; atribui-se a esse flagelo burocrático pesado, à excessiva centralização dos aparelhos, combate-se à centralização desses aparelhos e as empresas obtêm uma série de triunfos e uma crescente independência na luta por um mercado livre.

Quem luta por isso?

Deixando de lado os ideólogos e os técnicos que, do ponto de vista científico, analisam o problema, as próprias unidades de produção, as mais eficazes, clamam por sua independência. Isso é notavelmente semelhante à luta que os capitalistas realizam contra os estados burgueses que controlam certas atividades. Os capitalistas concordam que algo deve ter o Estado, que algo é o serviço onde está perdido ou que serve todo o país, mas o resto deve estar em mãos privadas.

O espírito é o mesmo; o Estado, objetivamente, começa a se tornar um estado tutelar de relações entre capitalistas. Obviamente, a lei do valor está sendo cada vez mais usada para medir a eficiência, e a lei do valor é a lei fundamental do capitalismo; é o que acompanha, o que está intimamente ligado à mercadoria, a célula econômica do capitalismo. Ao adquirir a mercadoria e a lei do valor de seus plenos poderes, ocorre um reajuste na economia de acordo com a eficiência dos diferentes setores e unidades e os setores ou unidades que não são suficientemente eficientes desaparecem.

As fábricas estão fechadas e os trabalhadores iugoslavos (e agora poloneses) migram para os países da Europa Ocidental em plena expansão econômica. São escravos que os países socialistas enviam como oferenda ao desenvolvimento tecnológico do mercado comum europeu.

Pretendemos que nosso sistema inclua as duas linhas fundamentais de pensamento que devem ser seguidas para alcançar o comunismo.

O comunismo é um fenômeno da consciência, não é alcançado através de um salto no vazio, de uma mudança na qualidade da produção ou de um simples choque entre as forças produtivas e as relações de produção.

O comunismo é um fenômeno da consciência e essa consciência deve ser desenvolvida no homem, de onde a educação individual e coletiva para o comunismo é parte integrante. Não podemos falar em termos quantitativos economicamente; Talvez possamos estar em posição de alcançar o comunismo em alguns anos, antes de os Estados Unidos emergirem do capitalismo. Não podemos medir em termos de renda per capita a possibilidade de entrar no comunismo; não há identificação total entre essas rendas e a sociedade comunista. Levará centenas de anos para a China ter a renda per capita dos Estados Unidos.

Mesmo se considerarmos que a renda per capita é uma abstração, medindo o salário médio dos trabalhadores americanos, cobrando os desempregados, cobrando os negros, ainda assim, esse padrão de vida é tão alto que a maioria de nossos países dificilmente conseguirá alcançá-lo.

No entanto, estamos caminhando em direção ao comunismo.

O outro aspecto é o da técnica; consciência mais produção de bens materiais é comunismo. Bem, mas o que é produção senão o crescente uso da técnica; e qual é o crescente uso da técnica, senão o produto de uma concentração cada vez mais fabulosa de capital, isto é, uma concentração cada vez maior de capital fixo ou trabalho congelado em relação ao capital variável ou ao trabalho vivo. Esse fenômeno está ocorrendo no capitalismo desenvolvido, no imperialismo.

O imperialismo não sucumbiu graças à sua capacidade de extrair lucros, recursos dos países dependentes e exportar conflitos, contradições, graças à aliança com a classe trabalhadora de seus próprios países desenvolvidos contra todos os países dependentes. Nesse capitalismo desenvolvido estão as sementes técnicas do socialismo muito mais do que no antigo sistema do chamado Cálculo Econômico, que por sua vez é herdeiro de um capitalismo que já é superado em si e que, no entanto, foi tomado como modelo do desenvolvimento socialista.

Portanto, devemos olhar no espelho onde uma série de técnicas de produção corretas estão sendo refletidas e que ainda não colidiram com suas relações de produção. Pode-se argumentar que eles não o fizeram devido à existência desse alívio, que é o imperialismo em escala mundial, mas, em última análise, isso traria algumas correções ao sistema e nós apenas seguimos as linhas gerais. Para dar uma idéia da diferença prática extraordinária que existe hoje entre capitalismo e socialismo, podemos citar o caso da automação; Enquanto nos países capitalistas a automação chega a extremos realmente estonteantes, no socialismo eles estão muito mais atrasados.

Pode-se argumentar sobre uma série de problemas que os capitalistas enfrentarão no futuro imediato, devido à luta dos trabalhadores contra o desemprego, o que é aparentemente exato, mas a verdade é que hoje o capitalismo está se desenvolvendo nesse caminho mais rapidamente que o socialismo.

A Standard Oil, por exemplo, se você precisar reformar uma fábrica, a interrompe e oferece aos trabalhadores uma série de compensações. Um ano a fábrica é parada, coloca o novo equipamento e inicia com maior eficiência. O que acontece na União Soviética, até agora?

Na Academia de Ciências daquele país, existem centenas e talvez milhares de projetos de automação que não podem ser implementados porque os diretores das fábricas não podem deixar o plano cair por um ano e como ele é executado. um problema de conformidade com o plano, se eles fazem de você uma fábrica automatizada exigir uma produção mais alta, então você não está interessado principalmente em aumentar a produtividade.

Obviamente, isso poderia ser resolvido do ponto de vista prático, dando maiores incentivos às fábricas automatizadas; É o sistema Libermann e os sistemas que estão começando a ser implementados na Alemanha democrática, mas tudo isso indica o grau de subjetivismo em que se pode cair e a falta de precisão técnica na gestão da economia.

Você tem que sofrer muito com a realidade para começar a mudar; e o aspecto externo, o mais surpreendentemente negativo, sempre muda, mas não a essência real de todas as dificuldades existentes hoje, que é uma falsa concepção do homem comunista, baseada em uma longa prática econômica que tenderá e fará do homem um elemento numérico produção através da alavanca de interesse material.

Na parte técnica, nosso sistema tenta levar o mais avançado dos capitalistas e, portanto, deve tender à centralização. Essa centralização não significa um absoluto; para fazer isso de forma inteligente, você precisa trabalhar de acordo com as possibilidades. Indiscutivelmente, centralize o máximo que as possibilidades permitirem; é isso que guia nossa ação. Isso permite uma economia de administração, de mão-de-obra, permite uma melhor utilização do equipamento aderente a técnicas conhecidas.

Não é possível construir uma fábrica de calçados que, instalada em Havana, distribua esse produto para toda a república porque há um problema de transporte envolvido. O uso da fábrica, seu tamanho ideal, é dado pelos elementos da análise técnico-econômica.

Tentamos chegar à eliminação, na medida do possível, das categorias capitalistas, portanto, não consideramos o trânsito de um produto pelas fábricas socialistas como um ato comercial. Para que isso seja eficaz, precisamos fazer uma reestruturação completa dos preços. Publicada por mim, não tenho mais nada a acrescentar ao pouco que escrevemos, exceto que há muita pesquisa sobre esses pontos.

Em resumo, elimine as categorias capitalistas: mercadorias entre empresas, juros bancários, juros materiais diretos como alavanca, etc. e levar os últimos avanços administrativos e tecnológicos do capitalismo, que é a nossa aspiração.

Podemos ser informados de que todas essas nossas reivindicações também seriam equivalentes a reivindicar aqui, porque os Estados Unidos a possuem, um Empire State e é lógico que não podemos ter um Empire State, mas, no entanto, podemos ter muitos dos avanços que Eles têm os arranha-céus norte-americanos e as técnicas de fabricação desses arranha-céus, mesmo que os reduzamos.

Não podemos ter uma General Motors que tenha mais funcionários do que todos os trabalhadores do Ministério das Indústrias como um todo, mas podemos ter uma organização e, de fato, a temos, semelhante à General Motors. Nesse problema da técnica de administração, a tecnologia é reproduzida; A tecnologia e a técnica de gestão mudam constantemente, intimamente ligadas ao longo do processo de desenvolvimento do capitalismo; no entanto, no socialismo, elas foram divididas em dois aspectos diferentes do problema e um deles permaneceu totalmente estático.

Quando eles percebem as falhas técnicas grosseiras do governo, eles procuram nas proximidades e descobrem o capitalismo.

Salientando, os dois problemas fundamentais que nos afligem, em nosso Sistema Orçamentário, são a criação do homem comunista e a criação do ambiente material comunista, dois pilares que se unem por meio do edifício que devem apoiar.

Temos uma grande lacuna no nosso sistema; como integrar o homem ao seu trabalho de tal maneira que não é necessário usar o que chamamos de desânimo material, como fazer com que cada trabalhador sinta a necessidade vital de apoiar sua revolução e ao mesmo tempo que o trabalho é um prazer; sentir o que todos nós sentimos aqui em cima.

Se for um problema de campo visual e você só puder se interessar pelo trabalho que o missionário realiza, pela capacidade do grande construtor, estaremos condenados por um tornero ou um secretário nunca trabalhar com entusiasmo. Se a solução estivesse na possibilidade de desenvolvimento desse mesmo trabalhador no sentido material, estaríamos muito errados.

A verdade é que hoje não há identificação completa do trabalho e acho que parte das críticas feitas contra nós é razoável, embora o conteúdo ideológico dessa crítica não seja. Ou seja, somos criticados pelo fato de os trabalhadores não participarem da elaboração dos planos, da administração das unidades estaduais etc., o que é verdade, mas a partir daí concluem que isso ocorre porque não estão materialmente interessados ​​em eles estão na margem da produção. O remédio que se busca para isso é que os trabalhadores administrem as fábricas e sejam responsáveis ​​por elas monetariamente, que tenham seus incentivos e desânimos de acordo com a administração.

Eu acho que aqui está o cerne da questão; é um erro para nós fingir que os trabalhadores dirigem as unidades; algum trabalhador deve dirigir a unidade, um dentre todos como representante dos outros, se desejar, mas um representante de todos em termos do papel que lhe foi atribuído, da responsabilidade ou honra que lhe é conferida, e não como representante da toda a unidade diante da grande unidade do Estado, de maneira antagônica.

Em um planejamento centralizado correto, o uso racional de cada um dos diferentes elementos da produção é muito importante e não pode depender de uma assembleia de trabalhadores ou do critério de um trabalhador, da produção a ser feita. Obviamente, quanto menos conhecimento houver no aparato central e em todos os níveis intermediários, a ação dos trabalhadores do ponto de vista prático é mais útil.

Isso é real, mas também nossa prática nos ensinou duas coisas axiomáticas; Um painel técnico bem posicionado pode fazer muito mais do que todos os trabalhadores de uma fábrica, e um painel de gerenciamento colocado em uma fábrica pode mudar totalmente suas características, em ambas as direções. Os exemplos são inúmeros e, além disso, os conhecemos em toda a economia, não apenas neste ministério.

Novamente, o problema é levantado novamente. Por que uma caixa de endereço pode mudar tudo?

Por que, tecnicamente, faz com que todo o grupo de seus funcionários trabalhe tecnicamente, ou seja, administrativamente melhor, ou por que envolve todos os funcionários de tal maneira que eles se sintam com um novo tom, com um novo entusiasmo pelo trabalho ou por uma conjunção? dessas duas coisas? Ainda não encontramos uma resposta e acho que precisamos estudar isso um pouco mais. A resposta deve estar intimamente relacionada à economia política desse período e o tratamento dado a essas perguntas deve ser abrangente e coerente com a economia política.

Como envolver os trabalhadores? É uma pergunta que não pude responder. Considero isso como meu maior obstáculo ou meu maior fracasso e é uma das coisas em que pensar, porque também está envolvido o problema do Partido e do Estado, das relações entre o Partido e o Estado.

Passaremos para o terceiro dos pontos que ameacei: o papel do Partido e do Estado.

Até agora, nosso pobre Partido era um boneco armado no estilo soviético que começou a andar no estilo soviético: como um bom boneco, começou a agir assim que encontrou a porcelana e resolvemos o problema removendo a corda.

Agora está em um canto, mas pretendemos reativar a boneca e ela começa a mover uma perna ou outra; Atrevo-me a dizer que, a qualquer momento, rompe outra laje, porque existem problemas subjacentes que não foram tratados adequadamente e que impedem seu desenvolvimento.

Na minha opinião, o Partido é um aparato que combina em si a dupla situação de ser o motor ideológico da Revolução e seu sistema de controle mais eficiente.

Por mecanismo ideológico, entendo o fato de que o Partido e seus membros devem adotar as principais ideias diretivas do governo e transformá-las, em cada nível, em impulsos diretos nas agências executoras ou nos homens.

Por aparato de controle, aquele que as bases do Partido e suas organizações superiores, em sucessivas crescentes, são capazes de apresentar ao Governo, a imagem do que realmente acontece em tudo que não depende de estatística ou análise econômica, isto é, moralidade, disciplina, métodos de gestão, a opinião das pessoas, etc.

Para cumprir seu papel de motor ideológico, o Partido e cada membro do Partido devem estar na vanguarda e, para isso, devem apresentar a imagem mais próxima do que um comunista deve ser. Seu padrão de vida, isto é, o padrão de vida dos membros do Partido, nunca deve exceder, nem como quadros profissionais, nem como quadros da produção, que seus pares têm.

A moral de um comunista é seu prêmio mais precioso, sua verdadeira arma; portanto, é necessário cuidar dela, mesmo nos aspectos mais íntimos de sua vida; A parte prática disso, a maneira pela qual o Partido deve cuidar da moral individual, é um dos pontos mais difíceis de lidar, mas é natural que nem ladrões, oportunistas ou fariseus … possam aparecer no Partido. quaisquer que tenham sido seus méritos anteriores.

Nesse estágio, o quadro revolucionário, com suas qualidades morais como cartão de visita, terá que fazer esforços fundamentais para criar consciência nas três linhas mais importantes: treinamento, técnico, cultural ou aprofundamento da consciência; defesa do país, armada e ideológica, e produção em todos os seus aspectos; e, defendendo essas três linhas fundamentais e promovendo pelo exemplo, deve participar de todos os planos nacionais, classificando sua ação na medida em que o governo o priorizar.

Tudo isso procurando uma maneira de agir de maneira que a luta contra a tendência de burocratizar o Partido seja sempre lembrada, ou seja, transformá-lo em outro instrumento de controle estatístico do Governo, ou de um órgão executor ou de um órgão parlamentar, com muitos personagens de aluguel e muitos jipes deslizantes, reuniões etc. etc.

É necessário desenvolver os quadros do Partido para que eles cumpram sua tarefa de controle.

O Partido, é claro, deve ter sua própria organização, separada do Estado, embora hoje haja ocasionalmente uma série de posições nas quais o Partido e o Estado estão misturados.

Como tarefas imediatas, é necessário fazer a seleção dos quadros médios extraídos da base por métodos semelhantes aos utilizados para a seleção dos inferiores e a reestruturação da Diretoria Nacional, adaptando-os às ideias que temos no momento sobre o assunto.

Uma das primeiras tarefas que o Partido deve analisar são suas relações com a Administração em todos os níveis.

Qual será o relacionamento que o Partido terá com o Governo? Qual das Direções Provinciais junto dos Governos Provinciais ou JUCEI [Conselho de Coordenação, Execução e Inspeção] e da região e núcleos com os correspondentes? Essa é quase a tarefa fundamental, o ponto central da discussão e, se pudermos elucidá-la, já teremos lançado uma boa pedra para o avanço de todo o aparato.

Até agora, fiz uma série de considerações gerais, boas ou más, mas que não contribuem com nada para o problema. Acredito que é necessário realizar uma série de tarefas concretas para que o Partido possa desempenhar seu papel. Parece-me que um dos pontos fundamentais no momento é proceder à seleção dos quadros de nível intermediário e à reestruturação da Secretaria Organizadora, de tal forma que realmente tenha um tipo de poder executivo sobre todos os quadros profissionais em todas as tarefas.

Organização partidária; Isso pode ser feito rapidamente e pode ser encontrado um sistema para propô-lo à Secretaria, retornando à produção todos os gerentes de nível médio que simplesmente não estavam à altura.

Ao mesmo tempo, é necessário considerar o desenvolvimento dos quadros e, para isso, deve ser desenvolvido com uma ideia central do Partido. Se o que eu der como definição de comunista for aceito, sistemas rígidos de disciplina, controle e autocrítica devem ser estabelecidos para permitir o colapso de todas as plantas da coluna vertebral dentro do Partido.

As principais tarefas da nação podem ser tomadas como fundamentais, depois as principais tarefas dos organismos como secundárias e o Partido pode se encarregar do impulso de uma série dessas tarefas. Para se referir à indústria: grupos de vanguarda, trabalhadores de vanguarda que vão às fábricas mais atrasadas. Os comunistas não devem ganhar um salário mais, mas o salário habitual, ou a média, os comunistas de qualquer tipo que estejam devem estar dispostos a mudar de um lugar para outro no país quando o Partido o ordena.

Isso significa que um comunista, contador em Havana, tem a obrigação de se mudar para Nicaro, se o Partido o ordena, esclarecendo essa obrigação bem como membro do Partido e não como funcionário.

A revisão contínua dos membros do Partido em assembleias periódicas deve ser realizada para incluir novos candidatos e descartar os antigos, que mostraram grandes fragilidades, estabelecendo em todos os casos em que as falhas não são graves o status de candidato a membro.

Estabelecer pela Secretaria Organizadora um projeto para a organização do Partido em sua totalidade, mas dividido em duas partes, uma das quais abrange as Diretrizes Provinciais para baixo, de tal maneira que, se a atual reestruturação não for permitida O trabalho sério da proposta pode ser iniciado a partir das Direcções Provinciais para baixo, para este trabalho é formada uma comissão dirigida pela Secretaria Organizadora e com a participação de membros das províncias, seja uma de cada província ou uma escolhida entre as diferentes províncias.

Que a organização nomeie um pequeno grupo de camaradas que trabalham para criar estatutos provisórios do Partido, que serviriam para regular sua operação até a convocação de um congresso no qual o programa será definitivamente aprovado.

As relações entre o Partido e a Juventude devem ser regulamentadas. Também formam uma comissão mista, ou apenas membros do Partido, que por sua vez são administrativos ou membros do Partido e da Administração que regulam o Ministério sobre as relações entre eles.

Alguns desses projetos podem ser discutidos nas bases anteriores e outros diretamente discutidos nas esferas superiores.

Eu acho que as linhas fundamentais são:
  • Aprovar o conceito de como um comunista deve ser, seja ele qual for ou dentro dos limites exigidos.
  • Iniciar tarefas de discussão das relações com a administração do partido.
  • Decidir sobre as funções do Partido, sejam elas propostas pelo mecanismo e controle ideológicos ou estabelecidas e estabeleça um método de trabalho que permita dividir a tarefa em duas partes.

Mesmo que o Partido, em alguns aspectos, continue com as características da acefalia atual, uma organização de base firme pode ser estruturada.
Mais ou menos isso é o que tenho a dizer sobre o Partido, pouco mais que um pedido de investigação, é sempre dentro da estrutura de minha preocupação fundamental que é a criação do novo homem.

Sobre o Estado, tenho ainda menos a dizer.

Eu acho que é a maior bagunça, mas também acho que temos que fazer esforços sistemáticos para investigá-la. Por esse motivo, parece-me que o sistema adotado para a reestruturação administrativa, o combate à burocracia etc., apresenta um grave erro fundamental; novamente estamos caindo no sistema de desenhar o homem começando pelo nariz, sem um esquema de estrutura de tópicos.

Se o Juceplan estiver encarregado de preparar as estatísticas e as agências também receberem esse poder, uma comissão regional não deve alterar os modelos centralmente exigidos. Não foi possível racionalizar mais porque colide com uma série de limitações de tipo burocrático central ou demandas do Juceplan, ou devido à indisciplina.

Seria melhor enquadrar o Partido nessa mesma linha de ação e realizar um trabalho ordenado que vai de cima para baixo; Se eles querem que você estude tudo o que precisa na base, mas suba mais tarde no seu estudo e faça uma recomendação no final, não uma ação no começo.

A idéia de reestruturação apresentada por Juceplan me parece bastante correta em um sentido lógico, mas não posso dizer se está correta, conceitualmente falando, do ponto de vista do que o Estado deveria ser no primeiro período de transição, o que corresponde à a questão de o que o homem comunista deveria ser e, portanto, como ele deveria estar preparado, por um lado, e a economia política do período e, portanto, como a estrutura baseada nessa economia política seria, por outro. Temos que criar uma base investigativa séria, capaz de responder a questões muito complexas e começar a estruturar um novo Estado Socialista, com um corte totalmente diferente do atual. Mas não sei mais sobre isso: deixo nesse grau de imprecisão.

Vou tentar ser concreto, agora, no capítulo das Recomendações Gerais.

Política Econômica: Penso que um pequeno grupo de pessoas deve se dedicar ao estudo da Economia Política deste período, mas não devemos esperar por elas ou pensar que elas podem resolvê-la facilmente. Poucas pessoas com essa capacidade estarão em Cuba, se houver alguém, porque essas são tarefas que poucos na história realizaram, e talvez Marx tenha sido o único a concluí-la.

No entanto, na política econômica, há uma série de concepções que podem ser estabelecidas para tarefas urgentes para as quais é possível chamar atenção. Mais importante (quase um grito para você) “globalize”, no bom sentido da palavra, nossas aspirações. Penso que, se o entusiasmo freia um pouco a realidade e é feita uma análise comparativa com outros países, sem recorrer às alegações de crescimento de 15 ou 20% ao ano, podemos nos perguntar o que queremos para o ano 1980.

Nesta base, o que teremos que produzir, o que precisaremos importar, quanto teremos que gastar em investimentos produtivos e quanto em investimentos improdutivos surgirão, e a resposta para a maior pergunta: podemos fazê-lo com os métodos atuais e com o desenvolvimento atual de a economia, sim ou não?

Existem alguns estudos feitos por colegas do Ministério que indicam que não são. Eles são preliminares, não sei se você deseja lê-los. Isso indicaria que um desenvolvimento adequado não pode ser alcançado em 1980 simplesmente com gado e cana-de-açúcar; é necessário algo mais. Que outra coisa é indústria.

Quanto pode ser gasto nas indústrias? Quais indústrias? Quanto nos serviços, transporte, etc.? Este não é o momento de estar aqui defendendo quantidades, estou simplesmente interessado em advogar métodos. Este é um método que não requer mais de um dia para obter uma visão geral. Será então possível analisar coisas muito claras, por exemplo, que os mercados derivados da carne não são tão abundantes quanto o pretendido, que há uma série de leis protecionistas, de acordo com os diferentes grupos capitalistas, que impedem uma venda ilimitada de produtos e um aumento substancial nos preços dos diferentes produtos produzidos a partir de gado não é esperado nos próximos anos; Além disso, você precisa fazer grandes investimentos, e o investimento feito lá não é feito em outro lugar.

Ou seja, fazer um equilíbrio elementar de nossas necessidades e desejos. Se fosse possível fazer isso uma vez e se ater a um plano de ação que não teria que ser extremamente completo, poderiam ser adotadas linhas internas de desenvolvimento a longo prazo, com planos de cinco anos muito mais elaborados, dos quais o primeiro, este de 66 a 70, que não existe, mas que é fixado por uma série de compromissos contratados, terá uma tendência claramente agrícola e, após os 70, será necessário dar a volta. Digo isso com toda a minha convicção (independentemente do que vale a pena); se nos dedicamos apenas à agricultura e à indústria agropecuária, estamos decididos em termos das reais possibilidades de ter um desenvolvimento harmonioso e ser um país rico.

Você tem que investir na indústria; dentro disso, você precisa da indústria mais moderna; você deve ter uma base mecânica suficientemente sólida, com uma base metalúrgica elementar, pelo menos. Há de ser feito. Você tem que se dedicar à química do petróleo, açúcar, química básica, incluindo fertilizantes; você tem que quimificar ao máximo. Temos que automatizar, a única maneira de competir. Você precisa lidar com o problema perturbador da manutenção preventiva.

Fazendo todas essas coisas, além da base para a prospecção geológica adequada, o desenvolvimento da máquina agrícola dentro de nossos meios, indústrias mecânicas como a construção naval, é possível ir longe com uma educação acelerada lenta e contínua; se nada for feito a esse respeito, a partir do ano 70 Cuba voltará a ter problemas de desemprego.

Existem tarefas urgentes a serem executadas. Entre essas tarefas, pode ser considerado o mais importante definir definitivamente as regras do jogo Juceplan, definitivamente para dar ao Juceplan uma autoridade, pelo menos anual, incontroversa. Que ninguém pode sair de estruturas rígidas sem considerar planos especiais.

O sistema orçamentário na agricultura deve ser estabelecido gradualmente; Isso seria ideal para compor um imenso número de problemas que existem, desde que os quadros sejam honestos e os trabalhadores estejam cientes do que fazer. Os problemas de preços e, juntamente com os preços, salários devem ser reexaminados; isso explodirá em algum momento se nos negligenciarmos. Não que seja uma situação explosiva hoje, mas o descontentamento se acumula em certas regiões industriais onde os salários são congelados, vendo como os salários são congelados, vendo como os salários das fazendas estão aumentando dia a dia.

É necessário seguir uma política de extrema cautela nos investimentos, bem pensada e única, baseada em um único plano por um único órgão, controlado pela Juceplan.

Osmany disse outro dia uma coisa muito sensata; Interrompemos as obras para enviar pessoas para o corte da cana e a agência encarregada de cortar a cana mantém, com seus próprios trabalhadores, suas próprias obras em construção. Essas coisas ainda acontecem.

É necessário fazer pelo menos mais uma estruturação de todos os organismos em um único plano dirigido por Juceplan e após ter determinadas diretrizes gerais, para que toda uma série de áreas escuras possa ser limpa nas relações entre organismos, relações horizontais. vertical, etc.

É importante, como eu avisei antes, que a participação do Partido seja exatamente regulada: se sua participação não for totalmente possível, pelo menos em certos níveis mais baixos, mais ou menos constantemente e em todo o país. Prossiga para educar os quadros do Partido com um senso mais amplo de filosofia, incluindo um humanismo marxista mais avançado. Nenhuma definição em torno das discrepâncias, mas a participação em estudos, ou pelo menos em compilações de documentos dos debates, tenta analisar as causas atualmente conhecidas.

Faça do Partido imaginar um elemento pensante, não apenas das realidades de nosso país, mas da teoria marxista que não é um ornamento, mas é um guia extraordinário de ação (os quadros não conhecem Trotsky ou Stalin, mas os descrevem como « ruim» de maneira escolástica. Para pôr um fim ao escolasticismo e à apologética, uma única disciplina aderirá a todas as dependências do Partido (penso em Hoy). [3]

Faça uma política educacional consistente com tudo o que você deseja alcançar unido em todas as suas partes, consistente em suas escalas e consistente com o que se busca.

Siga o mesmo princípio em Relações Exteriores.

Eu acho que essas são as coisas mais importantes; Eu também acho que não disse nada de novo. Tenho a sensação de que isso é uma perda de tempo para todos, porque tenho cópias de outros escritos anteriores de tom semelhante e muito pouco mudou desde então e nada da essência. No entanto, hoje existem uma série de grandes avanços administrativos e algumas mudanças nas diretivas podem melhorar o aparato e aumentar sua confiança nele.
[…]

Isso permitirá que você percorra um longo caminho, talvez os erros não sejam corrigidos com o tempo, mas, às vezes, é preferível demorar um pouco mais para corrigi-los e não fazê-lo imediatamente, sem considerar as possibilidades de cometer um novo erro.

São críticas que faço protegidas pela antiga amizade e pela apreciação, admiração e lealdade sem limites que lhe professo.

Não tenho certeza se você chegará a esta planilha porque já houve muitas Pátria ou Morte
Notas:

[1] Arquivo do Centro de Estudos Che Guevara.
[2] Esta carta foi publicada na íntegra pela primeira vez no livro Epistolar de uma época. Cartas 1947-1967, editorial Ocean Sur, 2019. Foi escrito por Ernesto Che Guevara alguns dias antes de partir para o Congo. Um fragmento foi publicado em 2006 para servir como prólogo do livro Notas Críticas em Política Econômica, da editora Ocean Sur. Juntamente com seu discurso em Argel, em 25 de fevereiro de 1965, e a carta ao semanário de março do mesmo ano, eles constituem uma tríade de documentos, no exercício de pensar a Revolução: sua projeção externa, o desenvolvimento. ideológicos e os problemas da transição socialista, bem como os problemas práticos que a experiência cubana estava enfrentando.
[3] Refere-se ao jornal Hoy, o órgão do Partido Socialista Popular.

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria