O‌ ‌que‌ ‌nos‌ ‌ensinou‌ ‌a‌ ‌nefasta‌ ‌Guerra‌ ‌de‌ ‌Malvinas?‌

O‌ ‌que‌ ‌nos‌ ‌ensinou‌ ‌a‌ ‌nefasta‌ ‌Guerra‌ ‌de‌ ‌Malvinas?‌

O papel das burguesias locais é de quase total subordinação à burguesia imperialista. As burguesias dependentes morrem de medo dos seus próprios povos e por esse motivo, quando se sentem ameaçadas recorrem a todo tipo de ação para manter seus privilégios, a ditaduras sangrentas e ao fascismo.

Os exércitos dos países dependentes estão orientados, até por sua ideologia, em primeiro lugar, a combater seus próprios povos. O imperialismo não pode aceitar ser derrotado por uma burguesia local, principalmente por aquela que se encontra sob sua dominação.

A “esquerda” oficial atua como braço esquerdo da burguesia, contra os povos. A única saída para os trabalhadores é a organização independente de todos os setores da burguesia.

Por que o imperialismo se interessa pelas Malvinas?

A questão das Malvinas é um resíduo colonial que vem desde o século XIX e perdura até o século XXI.

As Malvinas foram ocupadas, pirateadas, em 1833, quando nem mesmo a Argentina se constituiu como país, o que acabou acontecendo em 1860. Naquela época, a Patagônia era uma “novidade” e as Malvinas um território insular, anexado à Patagônia. E havia o interesse do imperialismo britânico.

Por um lado, as Malvinas é uma base militar, com elevado interesse geográfico militar, que também é uma base da OTAN. É o ponto mais próximo do Continente Antártico e também possui comunicação interoceânica do sul entre os oceanos Atlântico e Pacífico. Como ponto estratégico, as Malvinas, como fortaleza militar da OTAN, continuam a ser fundamentais. O interesse econômico é duplo.

Por outro lado, existem os recursos de hidrocarbonetos submarinos. A Grã-Bretanha já começou a explorá-los, mas sabe-se que existem há muito tempo e na verdade pertencem à plataforma continental da Argentina.

Ademais, outro recurso econômico importante está relacionado à riqueza da pesca; uma área com grande fluxo de peixes onde normalmente existem centenas e talvez milhares de barcos de diferentes frotas, europeias e japonesas, pescando na área. Tudo isso explica e justifica que a Grã-Bretanha mantenha as Malvinas.

Argentina sob o domínio do imperialismo inglês

O Estado argentino desde a sua constituição no final do século XIX, na realidade, nunca deu muita importância à reconquista da soberania das Malvinas. É preciso ter em mente que a Argentina é um país que se desenvolveu como um país capitalista precisamente dependente do imperialismo inglês.

Vladimir Ilyich Lenin no livro Imperialismo, fase superior do capitalismo, define e caracteriza a Argentina como um país capitalista dependente do imperialismo inglês. Essa predominância do imperialismo britânico sobre a Argentina durou até a década de 1940.

Durante a Segunda Guerra Mundial, esse domínio teve momentos em que se tornou uma situação quase colonial. Após a guerra, o imperialismo inglês começou a retirar quartéis e ativos econômicos, como ferrovias, que eram propriedade inteiramente britânica, foram comercializados.

Perón nacionalizou-os. Na verdade, foi um grande negócio para os ingleses, além do fato de a ferrovia ter que ser nacionalizada legitimamente. A ferrovia tem um desenho originalmente britânico, apesar de ter sido feita na Argentina, embora localmente já esteja destruída. Todas as linhas ferroviárias convergem para o porto de Buenos Aires com diferentes ramais que alcançam até 45.000 quilômetros. Toda a estrutura original da ferrovia é inglesa; cidades, hoje bairros, com nomes ingleses foram até desenvolvidas.

Foram os ingleses que introduziram o futebol na Argentina no final do século 19. O domínio do imperialismo inglês foi deslocado após a segunda guerra pelo domínio ianque.

Em 1947, o General Perón assinou o tratado militar do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que é um tratado de subordinação ao imperialismo norte-americano. No entanto, apesar da retirada, o imperialismo inglês mantém propriedades e empresas. Grandes extensões agrícolas na Patagônia e empresas inglesas de múltiplos ramos, e que não tiveram nenhum incômodo quando ocorreu a guerra das Malvinas.

Malvinas e o nacionalismo peronista

Nunca se desenvolveu uma forte corrente nacionalista na burguesia argentina para recuperá-la fora da propaganda, fora da demagogia e nunca houve um projeto sério dos setores civil e militar de extrema direita que curiosamente reivindicasse a soberania das Malvinas. Havia apenas uma hipótese militar para a recuperação das Malvinas pela Marinha. As forças armadas nunca tomaram uma iniciativa militar.

Curiosamente, a Força Naval é a mais jovem das três Forças Armadas, a mais reacionária e anti-peronista. Eles até mandaram tirar um hino das forças armadas do Reino Unido. Eles tinham uma subordinação cultural ao imperialismo inglês.

Em 1961, um comando peronista ligado à burocracia sindical, chefiado por Armando Calvo, pegou um avião e ocupou simbolicamente as Malvinas; ergueu a bandeira, mas eles foram rapidamente capturados. Foi um episódio simbólico reivindicado pelo nacionalismo peronista, mas não teve grande eco na época.

Quando foram libertados da prisão em 1969, formaram um pequeno grupo armado peronista denominado Mecanizados, que se juntou à luta contra a ditadura. Em 1973, fundiu-se com os Montoneros.

A Ditadura Militar e o Imperialismo

A Ditadura Militar estabelecida em 1976 tinha um alinhamento automático com o imperialismo norte-americano e suas forças armadas.

Em 1979, a ditadura envolveu-se diretamente com os militares na contrarrevolução na América Central. Compartilhava a base militar Palmerola dos ianques em Honduras, onde foi construído o contra da Nicarágua.

Vale a pena mencionar uma anedota sobre o ataque de um comando guerrilheiro internacionalista que saiu da Nicarágua para atacar aquela base em Palmerola. Esse comando, em outra ação, executou um dos líderes do Somoza contra.

Em 1982, a força da Revolução Sandinista capturou um militar argentino operando na Costa Rica, o Major Héctor Francés. Apresentaram-no na televisão e com grande serenidade, confessou que se destinava à formação do Contra e às operações de inteligência militar.

Assim se envolveu a ditadura argentina na contra-revolução na América Central. Estava praticamente fundido com a mesma política militar dos Estados Unidos na região. Por isso, a ditadura gera a fantasia ou ilusão de que terá apoio diplomático e até militar dos Estados Unidos; mas seu compromisso com a América Central não significava que pudessem colocar em risco a OTAN, um dos pilares do qual é a Grã-Bretanha.

A Ditadura Militar e o povo argentino

A ditadura militar teve sucesso em sua guerra civil contra-revolucionária e contra-insurgente que conquistou a vitória sobre a classe trabalhadora e sobre os projetos revolucionários em andamento. Mas ela não parou de ter suas crises financeiras.

Sua política anti-operária sob o comando do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos Estados Unidos foi tão forte que logicamente desencadeou uma resistência operária que cresceu muito, como se manifestou em uma primeira greve geral, em abril de 1979.

Antes, havia greves sob a liderança de burocracias sindicais que agiam porque alguns burocratas estavam presos. A burocracia foi obrigada a liderar a greve levada a cabo de forma quase selvagem pelos trabalhadores de Luz y Fuerza. O principal líder da burocracia, Oscar Schmidt foi sequestrado e executado pela ditadura, o que levou à falência do setor colaboracionista. A burocracia foi forçada a tomar medidas enérgicas.

A força da resistência operária era muito difícil e dispersa, mas existia. Em 1979 e 1980 houve mudança na liderança da Ditadura de Videla, que passou a presidência para Viola. Nem pôde enfrentar a crise que se aproximava e sofreu outro golpe interno do general Galtieri.

Em 1980, Galtieri que foi um dos principais patrões repressivos que se gabava de ter contatos com políticos e burocratas sindicais. É neste contexto de crise da ditadura que surge esta opção de aventura e turismo dos militares, apresentada ao povo e ao mundo como uma causa nacional baseada na legítima reivindicação de soberania.

A crise que levou à invasão das Malvinas pela Ditadura

A partir de 30 de março de 1982, uma nova greve e uma grande mobilização sindical formalmente promovida pelos sindicatos culminou em uma manifestação na Plaza de Mayo, com uma grande manifestação de claro sentido anti-ditatorial. A repressão fez uma vítima fatal.

Uma onda de repressão colocou a liderança sindical peronista em séria crise. Este foi forçado a reverter sua posição colaboracionista e enfrentar a força dos partidos tradicionais, especialmente o justicialista peronista.

A União Cívica Radical mais outros grupos políticos da burguesia e da pequena burguesia aumentaram a pressão sobre a ditadura pelo retorno à constitucionalidade e pelas eleições. Por isso foi a mobilização de 30 de março.

Talvez o ponto decisivo que levou a Ditadura a tomar a decisão de desembarcar nas Malvinas, seja que a Ditadura também se confrontou com a ditadura de Pinochet em 1979 à beira de uma guerra que foi evitada pela mediação papal e norte-americana.

Para o regime genocida de Pinochet, o grande rival era a ditadura argentina. E isso além do fato de coordenarem ininterruptamente suas tarefas assassinas no Plano Condor. Desde 1974 e apesar da rivalidade e do fato de quase terem chegado à guerra entre as duas forças armadas dos dois lados da Cordilheira dos Andes, a coordenação repressiva e o plano comum de contra-insurgência nunca foram desarmados.

A experiência militar dos oficiais das forças armadas da Ditadura

O desembarque em 2 de abril nas Forças Armadas argentinas foi tão surpreendente que surpreendeu inclusive um importante setor dos oficiais do Exército.

Por exemplo, o então Coronel de Artilharia Martín Balza, que estava na província de Corrientes, na fronteira com o Brasil, declarou que não sabia, apesar de ter sido Comandante em Chefe do Exército na “restauração constitucional”. E tantos líderes militares não foram informados.

A força naval argentina era tão patética que a maior parte de sua tropa de soldados nunca havia sido treinada para a guerra. Alguns recém-chegados; outros tinham apenas um ano de idade e nenhum deles tinha experiência em combate, apenas treinamento militar básico.

Os chefes militares, especialmente os da infantaria, da marinha e do exército, não tinham nenhuma experiência militar além da guerra contra-revolucionária interna totalmente diferente. Além disso, raramente lutavam cara a cara, eram operações repressivas típicas do terrorismo de estado urbano ou do terrorismo de estado rural como em Tucumán.

Alguns soldados aparecerão em combate, mas podemos dizer com certeza que 90% dos comandantes de tropas militares não tinham experiência, exceto para alguns grupos de comandos.

Quase todos os partidos políticos apoiaram a ação da ditadura. Raúl Alfonsín, da UCR (Unión Cívica Radical), foi um dos poucos políticos burgueses que não apoiou.

O governo do Peru veio oferecer apoio militar à ditadura, mas isso nunca se concretizou.

Um dos protagonistas da Ditadura foi a Havana para conseguir o apoio do Movimento dos Não-Alinhados; mas a ação nunca resultou em mais do que mera retórica.

A reação do imperialismo

A Força Aérea havia sido equipada com aeronaves francesas de última geração, equipadas com mísseis Exocet, mas nunca testadas em combate.

A desvantagem das Forças Armadas argentinas em relação às britânicas era enorme. Ainda mais considerando que os ingleses tiveram acesso aos códigos de computador relacionados ao sistema de mísseis francês.

Uma vez reconstruídos os ingleses do primeiro e com o Exército e a Marinha argentina já instalados nas Malvinas, seis portos com seus nomes mudados e o imperialismo inglês deu início à contraofensiva.

O governo da Inglaterra, liderado por Margaret Thatcher, teve sua própria crise interna. Ele havia enfrentado grandes greves, principalmente de mineiros de carvão, e estava muito esgotado; também para mostrar que o imperialismo não é desafiado por uma força militar de um país que consideram dependente e que é dependente. É o desprezo pelo colonizado, mas sobretudo pelos interesses geográficos, militares e econômicos.

Em pouco tempo, a Grã-Bretanha reuniu uma grande frota para recuperar sua ocupação das Malvinas.

Os Estados Unidos deram apoio explícito e imediato ao imperialismo inglês, que incluiu apoio logístico e militar. E bloquearam as tentativas da ditadura de obter apoio diplomático.

Os franceses abriram os códigos dos mísseis Exocet para os ingleses, tornando-os inutilizáveis.

Outro dos principais aliados de Margaret Thatcher foi a ditadura de Pinochet. Os ingleses puderam assim instalar-se na Isla del Fuego, que o Chile divide com a Argentina na região sul de seu território. Vários comandos ingleses atuaram na Argentina a partir de lá, com o objetivo que não se concretizou, de atacar as bases argentinas localizadas no continente.

A posição da esquerda na Guerra das Malvinas

Sobrou muito pouco das forças da esquerda revolucionária por causa da profundidade do massacre.

Os dois partidos que mais saíram ilesos da ditadura foram, de um lado, o Partido Comunista e, de outro, o Partido Socialista dos Trabalhadores (PST), que havia sido recomposto como Movimento pelo Socialismo (MAS), ambos sem qualquer influência de massa.

A ação de esquerda, portanto, tem apenas valor analítico, uma vez que não teve impacto na vida política do país. A esquerda não existia como referência política.

O que restou dos Montoneros apoiou a iniciativa, chamou-a de recuperação das Malvinas e proclamou proclamações bastante “singulares” a esse respeito, como por exemplo propuseram uma reforma agrária nas Malvinas. Eles, portanto, manifestaram uma ignorância supina sobre o que são as Malvinas. Eles até ofereceram combatentes, o que no final não era mais do que mera demagogia.

Apesar das fantasias, a reivindicação legítima de soberania territorial foi e continua a ser inquestionável.

O desfecho da Guerra de Malvinas

A guerra teve o desfecho que teve devido à superioridade militar britânica e não por outra causa, pois as dizimadas tropas argentinas lutaram com bastante heroísmo militar.

Alguns líderes militares foram denunciados como criminosos de guerra. Um caso emblemático foi o do capitão da Marinha Astiz que foi mesmo quem sequestrou as Mães da Plaza de Mayo em 1976; ele foi descoberto quando os ingleses o capturaram em San Luis del Sur e ele estava na frente do destacamento que simplesmente se rendeu sem disparar um único tiro.

Assim eram os chefes militares argentinos, com algumas exceções. Talvez o papel mais proeminente tenha sido desempenhado pelos aviadores que dispararam contra a frota inglesa de seus aviões e enfrentaram a aviação inglesa.

Os repressores no meio da guerra e suas tropas eram ineptos e covardes.

As tropas não treinadas, compostas em grande parte por soldados conscritos de 18 anos das regiões noroeste e nordeste da Argentina, regiões com climas quentes, estavam morrendo de frio ali, perto do Pólo Antártico.

Toda a ajuda que foi gerada pela sociedade civil em favor da ditadura, foi roubada pelos funcionários.

Apesar da manipulação da mídia, um belo dia tomamos café da manhã com a notícia da parte militar do combate em Puerto Argentino que havia terminado. Mais tarde, foram feitos prisioneiros e quando foram repatriados os soldados foram ameaçados de não falar. Eles estão apavorados.

A volta das Malvinas não foi nem mesmo uma volta dos lutadores da derrota; os soldados foram ignorados e censurados. A esmagadora derrota militar acelerou a derrota política. E havia a vergonha de um país humilhado pelo imperialismo por ter se aventurado numa aventura militar com base numa pretensão genuína e legítima.

O rescaldo da Guerra das Malvinas

O imediato rescaldo da Guerra das Malvinas foi político, o agravamento da crise da Ditadura e o seu recuo rápido e desordenado que junto com o movimento sindical que já andava de mãos dadas com as Mães e Avós que ainda eram um grupo marginal e minoritário mas que passaram a ter grande importância na luta pelos desaparecidos.

Tudo isso gerou uma negociação rápida entre a direção das Forças Armadas e a direção política civil da burguesia em direção a uma restauração constitucional mais ou menos rápida.

As eleições gerais ocorreram em outubro de 1983, apenas um ano e meio após a derrota das Malvinas. Embora mantivessem o aparato repressivo, não o fizeram com a intensidade da guerra contra-revolucionária imediatamente anterior, mas mesmo assim continuaram a sequestrar e matar militantes até outubro de 1983.

A derrota militar e a derrota política da Ditadura significaram uma derrota política nacional pelo imperialismo para a nação argentina, independentemente do governo que tenha.

Isso também teve consequências de longo prazo; assim como o terrorismo de Estado deixou suas consequências, o terrorismo dos militares sobre as tropas das Malvinas também deixou suas consequências; por exemplo, houve quase 700 mortes.

Toda a aventura facilitou o relativo isolamento das forças armadas que facilitou o primeiro governo constitucional a julgar as três primeiras juntas militares.

Raúl Alfonsin, presidente logo após a ditadura

Foi o fim da estrutura militar como centro do poder político da nação como havia sido por um século, apesar do fato de que houve levantes militares contra o governo civil posteriormente, na sequência de julgamentos por crimes contra a humanidade que foram reprimidos durante a Guerra das Malvinas.

O caso das Malvinas continua válido. Esta não é uma questão de soberania territorial. E todos sabem que a população que reivindica seu direito à autodeterminação é uma população indígena que faz parte da Comunidade Britânica; já existe lá na forma hereditária. Como população infantil da população líquida da população de bisnetas da população ocupante.

Não é uma população originária porque não havia povos originários ali. Inicialmente, houve criollos no início do século 19, quando da independência do Vice-Reino do Rio de la Plata nas Províncias Unidas do Sul, mas nunca se constituiu como parte da organização nacional argentina porque quando o estado argentino foi acabado, reconstruindo, as Malvinas já estavam ocupadas.

As Malvinas geograficamente são uma parte indissociável do território argentino; Eles estão dentro do mar continental argentino.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

Clique acima para saber sobre as nossas reivindicações!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria