Dois anos após a revolta popular de outubro de 2019: somente com a força do povo retomamos a iniciativa estratégica

Dois anos após a revolta popular de outubro de 2019: somente com a força do povo retomamos a iniciativa estratégica

A profunda crise que afeta o modelo de dominação capitalista no Chile não foi resolvida. Ainda é totalmente válido. Esse modelo de dominação, imposto pela Ditadura a partir de 1973 e aprofundado pelas administrações civis a partir de 1990, começou a ser radicalmente contestado pelos setores populares a partir do ano de 2006 (Revolução Pinguim), dando origem a uma série de mobilizações que incorporaram todos os trabalhadores. e setores explorados e excluídos de nossa sociedade, em uma cadeia cada vez mais massiva e combativa: comunidades indígenas, subcontratados e trabalhadores precários, comunidades locais e regionais, estudantes de ensino médio e universitários, aposentados, ambientalistas, mulheres e dissidentes sexuais.

O ponto culminante no desenvolvimento da mobilização popular foi alcançado, justamente, na revolta popular inaugurada, novamente, pelos alunos do ensino médio (salto de catracas), em 7 de outubro de 2019, que se espalhou por todas as cidades e vilas do Chile a partir do dia 18 do mesmo mês.

Trabalhadores, moradores e estudantes tomaram as ruas, marcharam, sacudiram panelas, ergueram barricadas, saquearam estabelecimentos comerciais e enfrentaram violentamente os destacamentos repressivos do Estado. Durante a greve geral de 23 e 24 de outubro de 2019, o governo cambaleou, colocando em risco todo o sistema de dominação.

Não surpreende, portanto, que, a partir daquele momento, a burguesia e seus aliados no sistema político tenham se precipitado a buscar acordos que lhes permitissem sustentar as estruturas em colapso. O referido acordo, firmado em 15 de novembro de 2019, traçou o roteiro para a definição e implementação dos ajustes institucionais exigidos pelo sistema a fim de resguardar sua continuidade.

O plebiscito de 25 de outubro de 2020, as eleições convencionais de 15 e 16 de maio de 2021 e a instalação da Convenção Constitucional de 4 de julho de 2021 foram tributários desse acordo. O referido itinerário e os conteúdos e diretrizes que o acompanham não foram definidos pelos setores populares, têm sido o campo de negociação e assinatura de acordos que as elites do poder têm feito.

Não há dúvida de que o cenário institucional é a área em que as classes dominantes se sentem mais confortáveis. A partir daí, conseguiram recuperar a iniciativa estratégica, sendo expressão disso, a reivindicação do estado de direito burguês, a validação da repressão (especialmente no Wallmapu), o crescente alinhamento dos atores políticos e empresariais e o restabelecimento do discurso hegemônico na mídia.

Ao contrário, a área em que os setores populares são implantados de forma mais eficiente é a da mobilização popular. A mobilização popular de massa, independente e disruptiva. Mas não se trata apenas de ir massivamente às ruas para expressar nosso descontentamento ou nossa raiva. Retomar a iniciativa estratégica, com vocação de poder, é assumir e superar nossos principais déficits ou problemas. Ou seja, transformar a demanda social em um programa político.

Hoje é fundamental definir: que tipo de economia, que tipo de sociedade e que tipo de regime político queremos construir? Nesse sentido, já avançamos bastante em nossas assembleias territoriais e sindicais. Mas não conseguimos sistematizar esses avanços em uma plataforma compartilhada e isso é hoje uma tarefa urgente.

Também avançamos e acumulamos ricas experiências em questões de organização popular de base, particularmente em assembléias e conselhos. Neles, muitas questões e desafios para o campo popular têm sido ampla e democraticamente discutidos.

Os territórios têm-se revelado espaços de encontro, emergência e construção de saberes e identidades e espaços propícios ao desdobramento de mobilizações disruptivas. Mas devemos ser capazes de nos projetar de nossos territórios em áreas de articulação mais amplas e transversais.

Devemos crescer em coordenação para socializar o programa comum e definir uma estratégia de mobilização compartilhada que nos permita atingir a todos e ao mesmo tempo o inimigo de classe. Esta tarefa de construir e desenvolver o poder popular é também uma tarefa urgente.

É evidente, por sua vez, que a legítima defesa em massa tem sido um componente fundamental no desenvolvimento do protesto popular, tanto na luta contra a repressão, como na defesa dos presos políticos e na assistência médica e de saúde aos atingidos pela violência policial. Porém, neste plano, observam-se dois níveis de problema: por um lado, a tendência a ritualizar a violência, que a concebe como um fim em si mesma, despojando-a de seu caráter político e instrumental.

Muitos optaram por se organizar para lutar, sem internalizar que lutamos para mudar a sociedade. É por isso que a violência política popular não conseguiu escalar para níveis mais elevados de desenvolvimento. Não passamos da autodefesa em massa para a luta da milícia e, pela mesma razão, não avançamos da luta da milícia para a ação insurgente.

Um segundo aspecto a considerar é que também não fomos capazes de neutralizar efetivamente a repressão. Embora tenhamos conseguido, circunstancialmente, desalojar a repressão de alguns territórios, não é menos eficaz que o custo tenha sido muito alto. Companheiras e companheiros foram assassinados, mutilados ou presos; E isso não só nos obriga à solidariedade e ao apoio mútuo, mas também a ser mais eficientes no combate à repressão, pois quando ela impõe a desmobilização costuma ser o seu resultado imediato.

Retomar a iniciativa estratégica exige desenvolver e qualificar a força das pessoas. E para isso é fundamental avançar nestes três aspectos: Programa, Organização e Estratégia. Só assim seremos capazes de fornecer uma solução popular para a crise atual do sistema de dominação. Devemos transformar o protesto em revolta, a revolta em rebelião e passar da rebelião para uma alternativa de poder.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria