A VOZ DO TRABALHADOR: CRISE, FOME E MISÉRIA

A VOZ DO TRABALHADOR: CRISE, FOME E MISÉRIA

Transcripção do vídeo:

Companheiros, já falamos aqui que temos hoje no país, dezenove milhões de pessoas passando fome, também quatorze milhões de pessoas, pra ser exato, quatorze vírgula quatro milhões de pessoas que perderam o emprego nos últimos tempos. E preciso dividir com vocês outras preocupações, por exemplo, das famílias brasileiras que em pesquisa realizada recente, publicada no cinco do oito, dois mil e vinte e um, setenta e um vírgula quatro por cento das famílias se encontra com dívidas, seja no comércio, seja no crédito, seja nas contas de água, luz e telefone, e a gente tem falado que a gente tá indo por situação beirando a calamidade pública, se já não estamos na calamidade, né?

Segundo a pesquisa divulgada pela Agência Brasil, dessas famílias que tá endividada no país, quem ganha acima de dez mil reais, ou seja, acima de dez salário mínimo, são um dos maiores devedores, em torno de setenta por cento desse pessoal se encontram devedores e vinte e oito por cento já inadimple. Então, essa é a situação que a gente tá passando nesse momento no nosso país. O trabalhador que ganha acima de dez salário mínimos, já comparando aos cinquenta e um milhões de brasileiro que ganha um salário, entre aposentados e trabalhador já é uma aristocracia operária. Isso se deu devido às políticas econômica que jogaram no tempo de bonança do capital, ou seja, nos governo anteriores jogaram a população no consumismo, sem conscientizar, sem politizar, e claro, não somos contra o trabalhador ter bem de consumo, mas a situação gera o que está acontecendo hoje.

Então companheiros, as políticas implantadas contra o trabalhador nunca foram a nosso favor, jogaram a população em um consumismo enorme, onde você consegue comprar um carro em sessenta parcelas, mas não conscientizaram ele que a saída contra todos os ataques desse governo que tá aí e do sistema capitalista é a luta.

Então companheiros, temos hoje uma política econômica desastrosa no país, o cara só pensa em vender, em vender, em vender, entregar as estatais, em privatizar e o trabalhador sofrendo as consequências, passando fome. Cento e dezesseis milhões de brasileiro, correndo risco alimentar segundo o IBGE, isso é um absurdo. E a gente vê no cenário político o quê? Disputa eleitoral, a esquerda que se diz defensora do trabalhador, joga a culpa no governo atual que é uma porcaria de Governo, isso é fato, mas canaliza tudo pra eleição deixando o povo jogado a própria sorte.

É a hora da gente como trabalhador que tudo produz, que somos quem gera riqueza no Brasil e no mundo e de propósito “pus” aqui o capital, O livro de Marx, onde todos os trabalhadores deveriam estudar pra entender que é ele (o trabalhador) que produz riqueza e não o riquinho, o bonitinho que tem uma empresa. Esses são os exploradores, quem produz riqueza é nós. Então companheiros, basta de demagogia eleitoral. Se essa esquerda não quer organizar uma luta de verdade pra mudar esse sistema, que morra, assim como o capitalismo precisa morrer.

Vamos à luta companheiros, não desanime, se organize porque a saída é a luta, é a luta na rua, não contra meramente um governo que tá aí, porque um futuro vai cumprir a mesma lei do capital, ou seja, continuar atacando o trabalhador pra que os capitalistas mantenham as suas taxas de lucro. Provavelmente foi um governo de esquerda vai atacar devagarzinho, tipo bate e assopra. E a gente precisa organizar a resistência contra esse sistema de exploração e contra todo esse muro de contenção que tá aí e que nos trava na nossa luta contra o sistema. Vamos à luta companheiros.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria