A China espirra, o Brasil pode pegar pneumonia

A China espirra, o Brasil pode pegar pneumonia

A recente bancarrota da Evergrande, o maior conglomerado da especulação imobiliária na China, coloca em xeque a estabilidade capitalista mundial e principalmente dos países mais dependentes das exportações à China.

O faturamento da Evergrande foi de US$ 110 bilhões em 2020. Os ativos somam US$ 355 bilhões. Se trata da empresa da construção civil mais endividada do mundo. Ao mesmo tempo, é o maior negociador de títulos podres em dólar. Mais de 120 grandes bancos estão impactados.

A perspectiva é de mais bancarrotas como consequência da tentativa do estado chinês de controlar a especulação imobiliária que adquiriu caraterísticas apocalípticas.

O caso da Evergrande não está isolado. Essa foi uma das políticas centrais do governo chinês desde 2009: fomentar o consumo interno sob a base de fartos recursos públicos. 

A crise capitalista mundial cresce de maneira acelerada em todo o mundo. Os quadrilhões em capitais fictícios só aumentam e não pode haver superação da crise atual sem a sua destruição. O problema reside em que a especulação financeira tem se tornado parte da reprodução ampliada do capital e da obtenção dos lucros.

Todos os componentes da economia mundial se encontram integrados ao sistema capitalista mundial. Até a própria locomotiva mundial se encontra fortemente pressionada pela crise e pela necessidade de evitar a explosão de revoltas e revoluções. A pressão para expandir-se e converter-se numa potência imperialista leva a China à rota de colisão das potências imperialistas.

Até agora nunca o mercado mundial sofreu uma forte reconfiguração sem ter passado por grandes guerras.

A América Latina aparece como a região mais exposta à crise capitalista mundial. A saída da mão do FMI (Fundo Monetário Internacional) equivale a apagar um incêndio com gasolina.

Para o próximo período devemos esperar grandes convulsões sociais. A contrarrevolução avança a passos largos. Mas a contrarrevolução anda de mãos dadas com a revolução.

Está colocado o enfrentamento aberto entre os trabalhadores e a burguesia mundial. O papel dos revolucionários é justamente reagrupar-se e estruturar-se, em cima do programa revolucionário, para organizar a luta dos trabalhadores e do movimento de massas.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria