A polícia contra o povo pobre da periferia em Buenos Aires (Entrevista com um dos presos políticos)
“Em Guernica queriam punir as famílias que lutavam pela terra”: Três meses depois da selvagem operação, entrevistamos Lucas Stevani, detido durante a repressão.”

A polícia contra o povo pobre da periferia em Buenos Aires (Entrevista com um dos presos políticos)

Publicado originalmente em finlandiaestacion.com

Três meses depois da violenta repressão de Guernica, conversamos com Lucas Stevani, membro do Partido Obrero e do Polo Obrero, sobre aquele dia, as condições de sua detenção e dos demais camaradas. Como atuou a polícia de Buenos Aires de Kicillof (governador de Buenos Aires) e de Berni (Ministro do Interior). Golpes, pressões e até prisões de menores em um dia negro dos trabalhadores, do qual é preciso tirar lições para as lutas que virão.

Entrevista

Estação Finlândia: Como você descreveria a operação repressiva daquele 29 de outubro em Guernica?

Lucas Stevani: O governo provincial de Axel Kicillof e o Ministério da Segurança de Sergio Berni se prepararam como se fossem enfrentar um exército. Fizeram um verdadeiro desdobramento militar com 4 mil policiais equipados para ir à guerra, e agiram de acordo. As famílias despejadas foram vítimas de repressão brutal, mesmo quando já estavam fora das instalações, e a maioria dos companheiros detidos também foi caçada na periferia das instalações. Mas primeiro foram as balas de borracha e o gás lacrimogêneo que duraram horas. Foi justamente uma operação que o governo montou com o objetivo de dar uma lição, de punir todas as famílias que lutaram pela terra e que hoje ainda lutam em todo o país por um pedaço de terra onde possam morar.

EF: E como você foi preso?

LS: Me prenderam depois que a polícia já havia evacuado o setor onde estávamos, estávamos nos retirando e saíamos por uma das entradas, em direção a um dos bairros vizinhos. A polícia naquele momento começou a avançar e a caçada começou. Assim, prenderam quase todos os companheiros manifestantes, fora das instalações. Portanto, é claro que havia uma motivação clara e preocupante. Em particular, três ou quatro policiais me reduziram e quando nos prenderam, bateram em nós, nos colocaram os joelhos em nosso pescoço e depois em nossas costas. Eles nos mantiveram assim por muito tempo e depois nos pegaram e nos levaram para onde estavam os outros camaradas detidos. Lá os próprios policiais passavam ao nosso lado e batiam em nós. Então ficamos com as mãos amarradas por cerca de 4 horas.

EF: Depois disso, vocês foram transferidos a La Plata?

LS: Sim, ao DDI de La Plata, onde nos detiveram até perto das 7 horas da tarde, e libertaram todos os camaradas, uns um pouco mais cedo, outros um pouco mais

tarde. Em todas aquelas horas não nos deram água nem nada para comer, apesar de termos sofrido espancamentos e pressões durante toda a detenção, e não termos recebido atendimento médico nem nada, apenas um exame de rotina lá, mas nele não nos deram a mínima atenção.

LS: Houve até menores detidos …

LS: De fato, um dos fatos mais aberrantes foi a prisão de uma menor, Luz, “Lula”, colega de trabalho também do Partido Obrero, estudante do Nacional Buenos Aires, sócio de Tati Fernández, presidente do Centro que também é parceiro do partido e também esteve preso em Guernica. Lula também foi transferida para o DDI em La Plata mas diante das reclamações sobre seu paradeiro perceberam que ela era menor e quando estávamos chegando, os caminhões pararam e queriam levá-la em carro particular apesar de nossos protestos; eles a fizeram retornar a San Vicente para a delegacia que foi o centro da operação de remoção. Ela foi transferida nessas condições junto com os policiais, separando-a de todo o grupo de detidos, quando não deveria ser o caso o que acrescentou um ingrediente muito mais grave à situação. Além disso, os policiais de Buenos Aires que a prenderam enviaram posteriormente mensagens no WhatsApp, assediando-a, dizendo “Eu sou o policial que te prendeu ontem, vamos tomar uma cerveja.” Algo completamente inconcebível e terrível! Obviamente, tudo isso será apresentado no processo judicial.

EF: Você é de La Plata: O que você responde ao discurso da mídia e do governo do tipo “tinha gente que vinha de outros lugares, que não era de lá e que não tinha nada para fazer lá”? Por que você estava lá?

LS: Sou de La Plata, sou militante do Partido Obrero e do Polo Obrero e fui a Guernica apoiar a luta dessas famílias por terra e moradia. Guernica foi e é uma luta de alguma forma testemunha um emblema de um processo que se desenvolve em todo o país e principalmente na província de Buenos Aires e que tem crescido de forma exponencial. Houve cerca de 100 apreensões de terras naquela época em toda a Província; na minha cidade temos cerca de 30 ocupações de terra hoje. Naquela época estávamos apoiando essa luta porque entendíamos que, além do fato da reclamação das famílias de Guernica ser justa, se essa luta fosse vencida e se evitasse a remoção e a repressão, o resto das ocupações de terras estariam em melhores condições, melhores estabelecidas para poder encontrar uma saída diferente do despejo e repressão, por um lado, ou falsas promessas que os governos deixam de cumprir, por outro. Por isso estávamos ali apoiando e enfrentando a repressão.

EF: O governo e algumas organizações sociais acusaram o Polo Obrero de ter bloqueado qualquer solução negociada com sua intransigência, e que isso significava que não havia escolha senão reprimir …

LS: Bem, a acusação de que o Polo Obrero bloqueou qualquer solução negociada é falsa. Obviamente, não foi porque a remoção estava lá, tinha uma data e hora. Houve uma reunião em que as entidades que assinaram um ato que o governo havia apresentado constataram que nem o próprio governo estava disposto a cumprir o que havia proposto, e que, pelo contrário, não havia algum tipo de saída que fizesse garantir às famílias Guernica um terreno ou uma casa decente. Foram todas promessas com longos prazos de entrega, de vários meses, e sem nenhum conteúdo específico. As pessoas que ficaram na rua tiveram que ir para uma academia ou uma barraca gigante, uma espécie de campo de refugiados.

Foi o que o Polo Obrero rejeitou como saída nas negociações. Sempre nos colocamos na posição de que o governo deveria dar uma solução concreta que resolvesse o problema da terra e da habitação, e apoiamos e fomos promotores da proposta que os vizinhos apresentaram ao governo provincial, uma proposta de urbanização da propriedade Guernica com base na lei de acesso justo à moradia, em vigor na Província de Buenos Aires, e que estabelece que cada empreendimento imobiliário em bairros ou condomínios privados realizados na província deve reservar 10% do terreno para a implementação de planos de habitação popular. Os vizinhos, amparados por essa lei, apresentam uma proposta para avançar na solução do conflito.

E o governo fez uma proposta que não cumpriu, deixando de lado as organizações que o assinaram. Ele fez isso para quebrar a organização interna da ocupação, quebrando a frente única que vinha operando com sucesso até aquele momento. Criaram assim as condições para realizar a remoção e superar a legítima reclamação de milhares de famílias de Guernica.

EF: Em que situação está o processo judicial?

LS: Temos um caso aberto em que somos acusados ​​de usurpação de terras, uso de armas de fogo, resistência à autoridade. Bem: uma série de acusações que eles não serão capazes de provar. Hoje o processo do caso está bloqueado porque o Ministério Público não quer entregar um vídeo da operação repressiva aos nossos defensores, argumentando que não querem que seja divulgado. E estamos afirmando que sem esse vídeo, que é um elemento fundamental da investigação, não vamos avançar no processo de investigação e de depoimentos. É incrível que a defesa não possa ver esse material. Então, hoje a situação é que, para grande parte dos acusados, o caso está parado.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria