Sobre a “vitória” da “esquerda” oficial nas eleições no Chile

Sobre a “vitória” da “esquerda” oficial nas eleições no Chile

Por Primera Línea Revolucionaria de Chile

No que diz respeito às posições de esquerda nas recentes eleições que aconteceram no Chile, devemos fazer um lembrete. O imperialismo recorre à repressão para conter o avanço dos povos, mas também recorre a oportunos “bombeiros” para contê-los. A continuação, explicaremos isso.

Como o imperialismo atuou em 2010 na Grécia?

A Grécia estava queimando pelos quatro lados. O Syriza (o PSOL grego) foi impulsionado como a chamada coalizão de esquerda radical, e apagou o fogo. Ele articulou o pagamento da ultra corrupta dívida com a União Europeia às custas dos trabalhadores. Depois deixou o poder nas mãos da … direita.

Continuemos com as peças de “bombeiros” do imperialismo. No Brasil, as greves que cresceram no final dos governos de FHC foram contidas pelos governos Lula que comprou 150 mil sindicalistas com cargos de chefia. Dilma paralisou totalmente a “reforma agrária”. 

Da mesma maneira que o PT não fez uma única greve importante nos governos de FHC (além de ter quebrado a greve dos petroleiros de 1995), também não fez nenhuma oposição importante contra Bolsonaro. Não há um único protesto desde 2017 nem sequer uma única greve nacional importante com a exceção das duas greves dos trabalhadores dos Correios que foram impulsionadas por Gazeta Revolucionária e quebradas por todos os setores da máfia sindical e dos partidos políticos.

Mais “bombeiros” da “esquerda” em benefício do imperialismo

Ricardo Lagos, da chamada Nova Maioria; no Peru, recentemente e para não ir tão longe quanto a França, temos recente o caso da Argentina com o kirchnerismo mantendo tudo o essencial que Maurício Macri tinha imposta a serviço dos setores mais decadentes do capital financeiro.

Todos os setores da “esquerda” oficial mantiveram e continuam mantendo o sistema. Eles são “bombeiros” serviçais do imperialismo.

Vejamos agora o que diz Juan Sutil, chefe dos empresários chilenos:

Você não vê os resultados como uma derrota para o modelo econômico atual?

“Não vejo que o modelo de desenvolvimento esteja em perigo; é claro que haverão muitas mudanças, mas enfim o setor empresarial é fundamental”. Vamos comentar um pouco sobre isso.

Continuemos com Juan Sutil: “os valores da convenção … é aí que está consagrado o livre empreendedorismo, o direito de desenvolver, de criar empresas, a liberdade de comércio, enquanto estivermos calmos, muitas mudanças serão feitas, mas isso vai continuar”.

O Partido Comunista (PC) teve um retrocesso significativo em relação à Frente Ampla e à “Lista Popular” que os superou em número para a Convenção. O PC obteve uma grande e apertada vitória no Município de Santiago onde sua candidata venceu. Em relação a ela, as dúvidas persistem.

Irací Hassler foi identificada como empresária e sócia do inefável Juan Sutil, o chefe dos empresários chilenos. Ela processou 26 trabalhadoras grávidas de sua empresa. Até agora ninguém negou.

Outro grande perdedor é a Unidade Central dos Trabalhadores (CUT) que apresentou 22 candidatos à Convenção Constituinte, entre eles, sua própria presidente, Bárbara Figueroa. No entanto, eles não conseguiram obter nenhuma vaga.

Outro que não um bom resultado é o PS (Partido Socialista). Embora o PS tenha alcançado a primeira maioria em número de constituintes de toda a centro-esquerda, com 14 convencionalistas, não atingiu a expectativa de 20 convencionalistas.

Mas o vencedor foi claramente o FA (Frente Amplio). Em primeiro lugar, consolidou-se o pacto da Frente Ampla com o Partido Comunista, “Eu Aprovo a Dignidade”. Mas o mais importante é que as forças da Frente Amplio superaram em número e simbolicamente superavam os triunfos de seus pares comunistas.

Na Convenção, os partidos da FA conseguiram 16 constituintes, enquanto o PC conseguiu sete. Destes, o RD (Revolução Democrática) – comunidade que nas primárias de governadores municipais e regionais sofreu um grande revés em comparação com seus parceiros de coalizão – obteve nove vagas.

O claro triunfo da FA dentro do pacto para alguns aponta que este desequilibrou a balança ao reafirmar uma primária presidencial entre a FA e o PC, cujo período de inscrições termina nesta quarta-feira.

O que surpreendeu muitos foi o resultado obtido pelo conjunto de pactos do que foi chamado de “Lista do Povo”. Este conjunto de pactos eleitorais agrupados sob o nome de “Lista Popular” obteve 27 convencionais, um a menos que a anterior Concertación.

A Frente Ampla não poupou elogios à “Lista do Povo”. “Estamos felizes com o resultado, saúdo explicitamente a Lista do Povo por seu excelente resultado”, disse Gabriel Boric deputado pela Frente Ampla, em um ponto de imprensa em frente aos líderes comunistas

Ximena Rincón, deputada pela Democracia Cristã (DC), pediu que a DC não registrasse as primárias legais. “É preciso ver as responsabilidades, tomar decisões sobre o que isso significa e reavaliar o caminho a seguir.” O pedido não significou sua renúncia à corrida presidencial.

Na FA, eles argumentaram que compartilhavam muitos diagnósticos com os candidatos dessa lista, e alguns até relataram que havia ex-líderes daquele setor. Juntos representam 55 vagas, a terceira parte dos votos ficou com a direita e outra terceira parte ficou com a Concertación.

Posição da Primeira Linha Revolucionária

Com tudo isso, configurou-se um cenário complexo, não sem contradições vitais para quase todos os setores políticos em disputa. O regime não atingiu o percentual de legitimidade que buscava e mais negociações são abertas

Diante de todo esse cenário dinâmico e mutante, Primera Línea Revolucionaria se propõe a desenvolver os seguintes pontos que fazem parte do nosso projeto para um país com enormes contradições sociais.

Pretendemos continuar trabalhando desde os territórios fortalecendo a organização territorial, bem como abrindo caminho para a nova organização político-social dos que lutam; o Referente Político Social.

A partir desse Referencial Político Social de quem luta, promoveremos o conjunto de demandas e demandas populares que devem se resumir na grande folha de lutas do Chile Popular que se levanta diretamente contra o sistema e não busca acomodação nele nem em seu marco institucional.

As primeiras demandas que o Referente Político Social deve levantar são: 
  1. Liberdade aos presos políticos;
  2. Não ao pacto de impunidade e julgamento e punição dos culpados de violação dos direitos humanos;
  3. Fora e Julgamento a Sebastián Piñera.

Essas três demandas são apenas as iniciais. Agora o Chile deve ser inundado com demandas a partir dos territórios onde as demandas por água, moradia digna, um salário mínimo de 700 mil pesos, devem ser somadas ao que os moradores resolvem.

Nós buscamos impulsionar um projeto que saia do encontro entre quatro paredes. Nosso projeto deve vir de milhares e milhares de organizações de trabalhadores, residentes, estudantes, irmãos nativos, organizações de mulheres e todos os explorados

Este projeto de desenvolvimento nacional deve surgir das bases populares e sociais e não dos partidos oficiais; ele se consolidará, não sem dificuldades, em meio a um novo rearranjo das classes sociais em conflito. A luta de classes tem leis implacáveis.

O processo convencional permite um rearranjo do bloco no poder composto por diferentes segmentos da burguesia; financeiro, exportação, negócios, extrativista e comercial. Esses segmentos são aqueles que se expressam nos partidos e em seus pactos. Nenhum dos pactos atuais está fora do bloco no poder, nem mesmo os comunistas como vimos.

Em última análise, o que está em jogo é a criação de um Estado de negócios policial com “direitos de cidadania mais amplos”, desde que não contradigam o regime estabelecido.

O grande vencedor nas eleições

A eleição de nove candidatos não neutros “independentes” de direita e três convencionais dos povos originários de Rapanui, que também seriam de direita. Com isso fica claro que tanto a direita quanto a esquerda socialdemocrata têm maioria necessária para bloquear mudanças, o que obriga a uma negociação baseada nos critérios de “mínimos comuns” já em execução pelo bloco no poder.

É claro que quem venceu novamente é o bloco no poder formado por diferentes segmentos da burguesia.

Mas o grande vencedor das eleições foi o abstencionismo e os votos nulos que superou os 70% dos votos válidos. 240 mil votos foram invalidados porque os votantes escreveram “Liberdade para os presos políticos”.

É evidente que a solução dos gravíssimos problemas que os trabalhadores enfrentam não vem da institucionalidade. Muito pelo contrário.

A crise capitalista mundial continua se aprofundando, até porque os volumes de capital fictício aumentam como uma bola de neve. O grande capital impõe uma política de guerra contra os trabalhadores e os povos oprimidos.

A luta continua conforme fica claro na Colômbia, em Gaza, no próprio Chile, em vários países da Europa.

Os verdadeiros revolucionários devem organizar a luta dos trabalhadores e das massas.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria