OS TESTES PCR DETECTAM SOMENTE O RESFRIADO COMUM

OS TESTES PCR DETECTAM SOMENTE O RESFRIADO COMUM

De Mike Adams – traducao de Sofia I Ypomoni 30 julho 2021

CDC (Center of disease control) e FDA (Food and drugs administration) falsificaram o protocolo para teste covid usando células humanas misturadas com fragmentos de vírus do resfriado comum

Artigo original: https://naturalnews.com/2021-07-30-cdc-fda-faked-covid-testing-protocol-by-using-human-cells-mixed-with-common-cold-virus.html

Em uma revelação chocante relatada pela primeira vez por Dan Dicks da Press for Truth (Canadá), um documento da FDA admite que o CDC e a FDA conspiraram para fabricar um protocolo de teste covid-19 usando células humanas combinadas com fragmentos comuns de vírus do resfriado por não ter amostras físicas do vírus “covid” SARS-CoV-2.

Sem material de referência física para usar para calibração e confirmação, o teste não tem base científica na realidade física. E todas as análises de PCR baseadas neste protocolo são totalmente fraudulentas, marcando as pessoas como “positivas” para covid quando elas simplesmente possuem pequenas quantidades de fragmentos de RNA de outras cepas de coronavírus circulando em seu sangue.

O documento da FDA, disponível no site FDA.gov (AQUI: https://www.fda.gov/media/134922/download), é intitulado “CDC 2019-Novel Coronavirus (2019-nCoV) – RT-PCR Diagnostic Panel em tempo real. “O documento admite surpreendentemente:

Como nenhuma quantia de vírus isolado  do 2019-nCoV estava disponível para uso pela CDC no momento do desenvolvimento do teste e o estudo realizado, os testes projetados para detecção de RNA de 2019-nCoV foram testados com estoque caracterizado por RNA de comprimento completo transcrito in vitro (gene N ; Acesso GenBank: MN908947.2) de título conhecido (cópias de RNA / µL) adicionado em um diluente que consiste em uma suspensão de células A549 humanas e meio de transporte viral (VTM) para simular a amostra clínica .

Em outras palavras, eles não tinham um vírus COV-SARS-2 para desenvolver e calibrar o teste, então eles misturaram um coquetel de células humanas e fragmentos de RNA de um vírus do resfriado comum, então o chamaram de “COVID”. A sequência do GenBank referenciada neste parágrafo é simplesmente uma definição de biblioteca digital rotulada como “covid”, mas nem mesmo possui materiais de referência na realidade física.

Isso ocorre porque nenhum médico ou pesquisador isolou o “COV-SARS-2” de um paciente infectado e sintomático. Consequentemente, nenhum instrumento de laboratório pode ser calibrado com o Covid real e os testes são simplesmente baseados em bibliotecas digitais publicadas pelo CDC e pela OMS, usando “Covid” como nome.

Os testes de PCR são então instruídos a procurar essas sequências genéticas obtidas de bibliotecas digitais fabricadas, o que significa que todo o esquema é a lógica circular da ciência lixo sem base na realidade física.

Por que aparentemente não há materiais de referência certificados para a Covid disponíveis para laboratórios para calibração de instrumentos?

Qualquer técnico de laboratório analítico que regularmente realiza análises quantitativas de contaminantes de alimentos, produzindo resultados de análises de alta precisão para pesticidas, herbicidas e metais pesados, em qualquer caso, ele realiza análises de laboratório, sabe muito bem que os instrumentos são calibrados com amostras físicas conhecidas como certified reference materials CRM ou seja,”materiais de referência certificados”.

Qualquer laboratório pode comprar um CRM para mercúrio, arsênico, glifosato e até salmonela. Os laboratórios podem comprar esses materiais de referência e usá-los para calibrar seus instrumentos, certificando-se de que suas análises sejam rastreadas até amostras físicas e reais de um material purificado. Esses CRMs, por sua vez, devem ser rastreáveis ​​pelo NIST- National Institute of Standards and Technology (nist.gov) para confirmar sua origem e autenticidade. Todos os CRMs são então etiquetados com números de lote e datas de vencimento.

Embora os laboratórios possam comprar materiais de referência para micróbios, metais pesados, pesticidas, etc. – todos  materiais físicos – eu pesquisei por toda parte e não consegui localizar nenhum material de referência certificado (CRM) para SARS-CoV-2 ou mesmo um enfraquecido, não há uma versão disponível dele. Até onde posso dizer, parece não haver espécimes físicos de vírus covid isolados disponíveis para calibrações de instrumentos e controle de qualidade de protocolo de teste.

Para ser claro, não estou dizendo que vírus não existam, e é bastante claro que o Instituto de Virologia de Wuhan conspirou com Fauci, Daszak, o NIH-National institutes of health (nih.gov), Baric e outros para desenvolver uma proteína spike transformada em arma. Mas a proteína spike não é um vírus por si só. É simplesmente uma nanopartícula tóxica que pode ser sintetizada em quantidade e, em seguida, despejada nas cidades ou adicionada a vacinas e injetada nas pessoas por meio de protocolos de imunização.

Eu faço a grande pergunta sobre tudo isso em meu vídeo de denúncia do laboratório de ciências aqui, que apresenta mais detalhes sobre tudo isso que vai deixar sua cabeça girando. Em essência, se “covid-19” é um vírus real que pode ser isolado, porque aparentemente não há materiais de referência físicos (CRM) para calibrar instrumentos de laboratório para detecção de covid? E por que nenhum desses materiais foi usado no desenvolvimento dos protocolos de teste de PCR aprovados pelo FDA e endossados ​​pelo CDC?

O CDC retira o seu  protocolo de teste de PCR covid fraudulento, o que implica que não consegue diferenciar o covid da influenza

O que aumenta o mistério em tudo isso é o fato de que o CDC acaba de emitir um “alerta de laboratório”, anunciando sua intenção de retirar o protocolo de teste PCR defeituoso até o final deste ano. Como parte do anúncio, eles deram a entender que o teste de PCR atual – o mesmo que o FDA mencionou acima, que foi desenvolvido sem nenhuma amostra física para calibração – não pode dizer a diferença entre influenza e covid.

Do documento CDC:

Em preparação para essa mudança, o CDC recomenda que os laboratórios clínicos e locais de teste que têm usado o ensaio CDC 2019-nCoV RT-PCR selecionem e iniciem sua transição para outro teste COVID-19 autorizado pela FDA. O CDC incentiva os laboratórios a considerarem a adoção de um método multiplexado que pode facilitar a detecção e diferenciação do SARS-CoV-2 e dos vírus influenza.

Por que pode ser importante diferenciar covid de influenza?

Porque, ao que parece, os casos de influenza quase desapareceram em 2020 quando a influenza foi renomeada como “covid” devido aos testes defeituosos.

“A porcentagem de positividade para influenza diminuiu 64% (p = 0,001) e o número diário estimado de casos de influenza diminuiu 76% (p = 0,002) nas semanas epidemiológicas 5-9 de 2020 em comparação com os anos anteriores”, relatou o CDC em 2020.

Em essência, o establishment  médico simplesmente pegou todas as pessoas que normalmente seriam diagnosticadas com resfriados e gripes e as transferiu para a categoria “covid” a fim de empurrar uma narrativa  de histeria em massa que empurraria as pessoas às vacinas. As vacinas, então, foram formuladas com nanopartículas tóxicas de proteínas spike para causar a onda de pânico “delta”, que ocorre amplamente entre os indivíduos vacinados.

A partir daqui, o golpe plandêmico prossegue como um relógio: as pessoas ficam doentes com as vacinas, então mais reforços da vacina são exigidos, o que perpetua a doença. Enxágue e repita. Isso nunca terminará até que os perpetradores sejam presos e as pessoas saibam do golpe.

O CDC acaba de publicar um documento científico que confirma todo o golpe. Aqui está o link para o documento: https://www.naturalnews.com/files/CDC-MMWR-Outbreak-Sars-CoV2-Jul-2021.pdf

É intitulado, “Surto de infecções por SARS-CoV-2, incluindo focos de infecções da vacina COVID-19, associadas a grandes reuniões públicas – Condado de Barnstable, Massachusetts, julho de 2021” e chocantemente admite que 74% das infecções ocorreram em indivíduos totalmente vacinados (com as duas doses):

“Durante julho de 2021, 469 casos de COVID-19 associados a vários eventos durante o verão e grandes reuniões públicas em uma cidade no Condado de Barnstable, Massachusetts, foram identificados entre os residentes de Massachusetts; a cobertura de vacinação entre os residentes de Massachusetts foi de 69%. Aproximadamente três quartos (346; 74%) dos casos ocorreram em pessoas totalmente vacinadas (aqueles que completaram o ciclo de 2 doses de vacina de mRNA [Pfizer-BioNTech ou Moderna] ou receberam uma única dose de Janssen [Johnson & Johnson]  – 14 dias antes da exposição).

Veja, a vacina é a pandemia. A vacina está espalhando a proteína spike, e os testes de PCR falsos fornecem o combustível para manter a histeria em massa.

Abordo mais detalhes sobre tudo isso no podcast bombástico via Brighteon.com: http://brighteon.com/dfb235d4-f0d6-4d7d-af06-d1f4e391c4f5

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria