Geoestratégia norte-americana e suas táticas colonizadoras e imperialistas

O verdadeiro plano de Biden para “acordar” a economia

O governo dos Estados Unidos repassou US$ 1,9 trilhões aos grandes capitalistas com o objetivo oficial de retomar o desenvolvimento, o que equivale a fazer funcionar uma economia “podre” que não funciona mais.

Para os grandes capitalistas obterem lucros precisam de gigantescos e crescentes repasses de recursos dos estados, e transformar os trabalhadores e as massas em párias.

A propaganda burguesa faz alarde de que com esses US $1,9 trilhões os problemas seriam resolvidos.

Na realidade, só desde março do ano passado, foram repassados aos grandes capitalistas US $9 trilhões adicionais. A esses volumes absurdos somam-se os repasses tradicionais por meio de empréstimos a taxas irrisórias aos grandes capitalistas, as ajudas para fechar as operações diárias do overnight, as compras obscenas de títulos (dívidas, ações e outros) de grandes empresas privadas etc.

Essa política foi denominada há algum tempo de TBTF (Muito Grande Para Falir) e implica em que as grandes empresas nunca podem quebrar.

O problema é que todos os mecanismos tentados para fazer funcionar o capitalismo semi moribundo (o que não implica em que em termos militares seja menos agressivo; muito pelo contrário) têm se mostrado muito insuficientes, desde 2008 pelo menos.

Agora o governo Biden avalia a injeção de US $3 trilhões adicionais para promover investimentos em obras de infraestrutura, energia limpa e educação, assim como um aumento dos impostos sobre as empresas de 21% para 28% dos lucros.

Os efeitos colaterais das medidas econômicas sem resolver o principal problema.

O problema principal da economia capitalista está relacionado com o aprofundamento da crise por causa do “tabu”: o gigantesco volume de capitais, podres ou fictícios, alocados na especulação financeira que têm se convertido em parte fundamental da taxa média mundial dos lucros.

Os repasses de recursos a partir de moeda criada do nada, aumenta muito a pressão sobre as bolhas inflacionárias e o endividamento generalizado. A estagflação (inflação com recessão) bate às portas de quase todos os países.

Os processos “normais” de funcionamento da economia capitalista sempre passaram pela destruição dos capitais fictícios a cada novo ciclo. Mas isso era o que acontecia na época liberal do capital, que é própria do século XIX.

Desde o século passado, a economia é dominada por super cartéis controlados pela burguesia imperialista, os super ricos que dominam o mundo.

Sem romper com a propriedade privada dos meios de produção é impossível resolver os problemas do capitalismo. Até porque os problemas e as leis do capitalismo são tensionados ao máximo.

A concentração da riqueza e da pobreza, no outro polo, aumenta sem parar. A busca patológica pelo controle do mercado mundial leva inevitavelmente a guerras. As guerras vão na mão das revoluções. A burguesia, de maneira desesperada, tem militarizado as sociedades e impulsionado o fascismo.

A saída da crise capitalista para as grandes massas passa pela destruição do capitalismo, o que implica numa revolução de massas liderada pelos setores de ponta dos trabalhadores.

Para a maioria dos “analistas” oficiais e boa parte da esquerda, uma revolução que possa destruir o capitalismo aparece como um fenômeno surreal. Na realidade, o próprio funcionamento do capitalismo, as suas próprias leis, é o combustível que coloca em movimento os trabalhadores. É uma luta objetiva e desesperada pela sobrevivência de todas as classes sociais.

O papel dos verdadeiros revolucionários e anti-imperialistas é lutar pela organização do movimento de massas que tende a entrar em ascensão no próximo período.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

Clique acima para saber sobre as nossas bandeiras de luta!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria