O internacionalismo proletário e o movimento de massas

O internacionalismo proletário e o movimento de massas

Publicação original em: PCPB

Em cima da escalada da crise capitalista mundial, os revolucionários temos como dever organizarmos a resistência contra o aumento dos ataques por parte da burguesia contra os trabalhadores e o movimento de massas.

O imperialismo, principalmente o imperialismo norte-americano, busca descarregar o maior peso da crise sobre os povos da América Latina porque é a região que domina de maneira mais contundente.

Nesse sentido, a política geral, que é reduzir as condições de vida ao máximo, adquire especial truculência na região.

O principal problema que a burguesia imperialista tem que resolver é como evitar uma grande onda de quebradeiras em massa que possa levar o movimento de massas a um grande ascenso. Para evita-lo colocou em pé uma política que tem um componente militar preponderante e do qual a política de estados de sítios generalizados faz parte, junto com o aumento da agressividade propagandísticas, que é ainda pior que a que acompanhou a imposição do chamado “neoliberalismo” com o objetivo de conter a escalada da crise que tinha se aberto com a crise de 1974.

Os volumes de capitais fictícios adquiriram dimensões apocalípticas e aumentando.

Fica cada vez mais evidente que sem colocar em pé uma força capaz de enfrentar e derrotar a burguesia imperialista é impossível evitar que os trabalhadores e as massas sejamos esmagados.

O aumento da pressão do imperialismo imposto pela escala da crise tem levado a enorme enfraquecimento do centro da política e ao fortalecimento dos polos. O movimento de massas e revolucionário hoje aparece como muito fraco, mas a escalada do descontentamento social coloca o campo fértil para o fortalecimento. Por isso a burguesia responde com o fortalecimento do fascismo, o endurecimento do regime político e a política de guerra.

Qual internacionalismo?

Muitas organizações da esquerda, inclusive da esquerda revolucionária, muitas vezes confundem o internacionalismo proletário com o apoio a governos da burguesia.

Nas atuais condições, essa política se torna muito crítica, além de um erro político muito grave.

Um dos componentes fundamentais do internacionalismo proletário é o apoio aos trabalhadores de todo o mundo, mas mantendo a independência de classe de todos os setores da burguesia. Isso é marxismo e leninismo básico.

O apoio a ações nacionalistas de determinados povos e governos deve ser dado de maneira parcial, condicional e somente no que efetivamente significar luta contra o inimigo principal, o imperialismo, e desde que ajude a fazer a avançar a luta pela destruição do capitalismo mundial. E com a condição de que seja mantida a independência de classe, até porque a burguesia, assim como a pequeno burguesia, sempre procuram, por causa do caráter de classe, canalizar toda luta para a institucionalidade burguesa.

Para aplicar essa política, ainda é preciso considerar questões táticas como a diferença entre discursos e a prática de determinados governos, o que requer o conhecimento da realidade objetivo. Muitas organizações por limitações, muitas vezes ficam se pautando pela imprensa burguesa ou a propaganda de governos burgueses.

Tarefas colocadas hoje

O internacionalismo proletário é concreto e não tem nada a ver tanto com ficar a reboque de setores da burguesia como de ficar na mera diletância.

Os revolucionários hoje temos como dever organizarmos a luta nos países onde atuamos. Mas devemos considerar essa luta como parte da luta regional e mundial dos trabalhadores e dos povos contra o capital, as burguesias locais e o imperialismo.

Precisamos promover e organizar o apoio ativo aos povos e trabalhadores que estão efetivamente lutando, buscando estabelecer ações práticas e coordenadas.

Uma maneira concreta de apoiar a luta dos povos e dos trabalhadores é por meio da organização de campanhas de divulgação dessas lutas; de ajuda financeira; da formação de uma organização de Direitos Humanos que empreenda campanha em contra da repressão, dos assassinatos e de todas as violações dos direitos humanos, o que inclui a campanha pela liberação dos presos políticos.

A aproximação com as organizações que estão efetivamente lutando contra a opressão do capital deve acontecer por meio de comitês de enlace que permitam o conhecimento da atuação dessas organizações na prática.

Essa aproximação pode começar por meio de comitês de enlace que assumam a forma de comitês de propaganda e que possam evoluir para outras ações concretas como as campanhas financeiras, a solidariedade efetiva na questões dos Direitos Humanos e outras, que levem à realização de atividades e ações concretas cada vez mais coordenadas.

Sem a unidade dos trabalhadores, dos povos oprimidos e dos revolucionários é impossível derrotar a burguesia armada até os dentes.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria