O assassinato do presidente do Haiti e da América Latina

O assassinato do presidente do Haiti e da América Latina

No dia 7 de julho foi assassinado o presidente do Haiti Jovenel Moise por pessoas com alto treinamento militar e armamento de alta tecnologia o que lhes permitiu até driblar a segurança presidencial.

No país mais pobre da América e um dos mais pobres do mundo, Moise já tinha o mandato terminado, mas não tinha saído do governo.

Ele contou com o apoio de Trump e posteriormente de Biden.

O problema é a brutal desestabilização do Haiti que já dura vários anos. Nos últimos meses, as mobilizações pela saída de Moise tinham recrudescido.

Fora a história policial, o mais importante é entendermos o contexto político em que esse assassinato aconteceu e a serviço de quem aconteceu.

Enquanto Moise foi assassinado, os imperialismos norte-americano e inglês se vêm obrigados a retirar as tropas do Afeganistão, apesar de que buscam deixar tropas especiais para controlar o tráfico do ópio (componente básico da heroína) como um dos mecanismos para sustentar as operações militares e policiais com verbas ilegais.

A isso se lhe suma a pressão que sofrem no Iraque, na Síria e no Iêmen.

O imperialismo precisa se fortalecer para ir à guerra

Clique na imagem e veja a matéria

O imperialismo sofre recorrentes crises por causa do aprofundamento da crise capitalista mundial que é a maior de toda a história.

A economia mundial se encontra em recessão há um ano e meio e ainda há o problema dos volumes obscenos de capitais fictícios/ especulativos que se transformaram em componentes fundamentais da taxa media mundial de lucros.

Toda crise capitalista tem como objetivo queimar os “excessos”, principalmente o capital fictício, para dessa maneira retomar a produção de mercadorias em ritmo ainda superior que o anterior. Esta é uma das leis principais do capital, a reprodução ampliada do capital.

Todas as leis do capitalismo se encontram tensionadas como nunca antes, e piorando.

O controle da crise por meio da “pandemia” faz parte da política para conter a crise que tem fortes componentes militares. Mas ela funciona mais como uma máscara, uma maquiagem.

A verdadeira saída para crise, por parte das potências capitalistas, passa por uma grande guerra que consiga “corrigir os desarranjos”, queimar forças produtivas e redividir o mercado mundial.

Para ir à guerra o imperialismo norte-americano precisa fortalecer-se onde é mais forte, a América Latina.

Somente com a “pax norte-americana” na região é possível tentar derrotar ou neutralizar as demais potências, principalmente a China aliada da Rússia, e manter e ainda aumentar o controle do mercado mundial.

O assassinato de Jovenel Moise acontecesse justamente nesse contexto, dos estados de sítio crescentes na região, na militarização dos estados, da entrega total dos recursos nacionais para as grandes empresas, a troco de nada, do rebaixamento das condições de vida das massas, da aprovação de leis ultra repressivas, do rápido fortalecimento da direita, o enfraquecimento da “esquerda” oficial e o chamado “progressismo” com a sua incorporação ao Grupo de Puebla. Esses são todos componentes da estabilização do quintal traseiro do imperialismo norte-americano em preparação para a guerra.

As tarefas colocadas para os revolucionários

Clique na imagem ara ver nossas bandeiras de luta!

Os revolucionários enfrentamos uma das situações mais difíceis da história e ao mesmo tempo uma das situações políticas mais favoráveis.

Se bem o imperialismo e a burguesia escalaram a agressividade, os mecanismos de contenção têm se fragilizado.

O principal mecanismo de controle dos trabalhadores é a ditadura do capital nas empresas.

O segundo mecanismo são as burocracias oportunistas e mafiosas dos sindicatos, dos partidos da “esquerda oficial” e dos movimentos sociais. Eles quase não têm militantes na base mais, principalmente no movimento operário.

Isso é uma fraqueza do movimento de trabalhadores? Sim, mas ao mesmo tempo é uma fraqueza ainda pior da burguesia porque os trabalhadores devem ser controlados na ponta das baionetas e com o fascismo e as ditaduras militares.

Há uma avenida aberta para a revolução, o que não significa que a avenida esteja sem buracos e pedras no caminho.

A avenida está aberta porque quando um conjunto de revolucionários sérios, com muita clareza política e flexibilidade tática agem, alinhados com o estado de espírito das massas, podem conseguir resultados que seriam impensáveis há 30 anos. Exemplos, as duas greves dos Correios contra Bolsonaro, o levante no Chile ou até ir na porta de uma fábrica. Nos anos de 1980, nas portas das fábricas havia vários grupos políticos distribuindo materiais, e a maioria deles com militantes na base. Hoje praticamente todos desapareceram.

Os revolucionários temos o dever histórico de abandonarmos os “ismos” do passado e o culto às grandes personalidades do passado. Nós temos o dever sim de tomar as experiências do passado para colocarmos em pé políticas que nos permitam organizar a lutas dos trabalhadores e das massas.

Devemos levantar as bandeiras de luta que representam a saída dos trabalhadores para a crise. E em torno delas desenvolver a política para as massas e agrupar os revolucionários.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria