Colômbia: A “primeira linha” e as outras quatro

Colômbia: A “primeira linha” e as outras quatro

Por Julio César Londoño (jornalista)

Os manifestantes na Colômbia estão divididos em dois grupos: os digamos  “civis”  e os “guerreiros”. Os “civis” marcham, debatem, denunciam e fazem resistência simbólica: cantam, dançam, escrevem, demolem estátuas. 

Os “guerreiros” são divididos em “Linhas”. 

A L1 é defensiva e poética: seus “escudeiros” protegem os “civis” e as demais linhas. Seus escudos são antenas de televisão, sinais de trânsito, escudos da Esmad [tropa de choque] remendados, lembranças de algum combate glorioso. 

A L2 é a linha de choque: eles brandem porretes e atiram pedras e explosivos caseiros e relançam botijões de gás lacrimogêneo, ou os sufocam. Armas de fogo são proibidas: não é aconselhável lutar neste terreno desvantajoso. 

Os “engenheiros” L3 constroem as barricadas e o desvio com ponteiros laser para cobrir os ataques L2. 

L4 é formado por médicos e enfermeiras de todas as camadas sociais. 

O L5 é um alquimista: fornece “máscaras de gás” (lenços embebidos em vinagre) e sacos de leite, ou uma solução de água com bicarbonato, para evitar a queima de gás. Eles também são estrategistas quentes dando instruções e gritando gritos de guerra.

Nas marchas, há “guerreiros” encarregados de evitar que as “cólicas” se infiltrem, amigos dos outros e entusiastas do vandalismo. Este trabalho é feito em associação com a polícia, que colabora, sim, mas que também pode, num rapto bipolar, praticar vandalismo disfarçado.

A “sala de jantar” e a “enfermaria” encontram-se dentro da área protegida pelas barricadas. Os suprimentos de combate e alimentos são fornecidos pela comunidade do “ponto de resistência”, mas também recebem apoio de outros bairros, de alunos e funcionários que fizeram amizade com os “guerreiros” nas marchas, e das mães desses “civis” que o fazem, não ver o “guerreiro” como um monstro encapuzado, mas como o filho que não teve o privilégio de estudar nem a oportunidade de um emprego.

Nas camadas inferior e média, o apoio ao desemprego é incondicional. Nas camadas superiores há senhores, felizmente muito poucos, que disparam seus rifles contra a turba dos andares superiores de seus prédios luxuosos, mas também há senhoras, talvez suas esposas, que secretamente fornecem comida para os “guerreiros”.

Muitos “civis” vão às “salas de jantar” em busca de um prato de comida. Existem “guerreiros” que só agora comem três refeições por dia. Alguns não consomem toda a sua ração e guardam uma parte para levar comida para casa.

Não há hierarquias na estrutura das linhas, mas há líderes que comandam as operações porque foram bombeiros, militares, agentes de segurança privada, alunos do SENA ou de fundos de compensação.

A surpresa: todos esses caras têm formação política. Alguns o adquiriram de livros; o resto tratou de três temas difíceis: fome, injustiça e exclusão.

Em Cali, o protesto gerou desconforto e carências. Na Colômbia, ele derrubou um ministro e uma reforma e tem outro viés, ela colocou em discussão assuntos cruciais sobre a mesa, construiu pontes de solidariedade, expôs as carências agudas das classes baixas, a precariedade da classe média, a mesquinhez de um setor importante da classe alta, a cumplicidade covarde das autoridades civis com os abusos da polícia e, um caso aberrante, com os “traquetos” [narco-traficantes] que organizaram um safári contra os indígenas minga em Cali na tarde de domingo.

E algo que ninguém calculou: o desemprego tirou o fino verniz democrático dessa ditadura de má qualidade e mostrou ao mundo sua verdadeira face: uma facção corrupta, inepta, indolente e sanguinária.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria