As passeatas contra Bolsonaro em Belo Horizonte (FOTOS)

Por Marcos Lima

Em Belo Horizonte, os atos contra Bolsonaro do dia 19 de junho começaram com a concentração que aconteceu a partir das 13:30 na Praça da Liberdade, em frente ao Palácio de Governo.

Foram milhares de pessoas, até um pouco maior que as anteriores do dia 29 de maio. 

Houve uma presença maior da juventude. 

O número de carros de som foi bem maior. Havia em torno a 10 deles.

A tendência é que haja um crescimento na participação nessas manifestações, apesar de que ainda não há novas convocações.

A política das manifestações

Clique na imagem para saber mais do tema

As palavras de ordem das manifestações são pelo menos muito fracas.

Existe uma palavra de ordem central que é o “Fora Bolsonaro”, mas as direções que aparecem nos carros não demonstra nenhuma política concreta para combater o massacre do Brasil imposto pelo Governo Bolsonaro, principalmente no contexto atual em que todo o regime político se encontra embrenhado na política de massacrar o Brasil. Menos ainda há um discurso contundente nem sequer contra as privatizações e a destruição da saúde e da educação públicas, por exemplo.

Na base, se vê algumas bandeiras contra as privatizações, mas de maneira dispersa.

Pouco ou nada se fala sobre as PECs (Proposta de Emenda Constitucional) que entrega o Brasil aos grandes capitalistas, principalmente os estrangeiros, e as novas leis ultra repressivas, como as que criminalizam os movimentos sociais, que têm como objetivo massacrar que ousar enfrentar o massacre do povo brasileiro.

Sem esse conteúdo concreto e sem encher de conteúdo o “Fora Bolsonaro” a política oficial das manifestações não somente fica muito “vaga”, mas também leva água ao moinho das Eleições 2022, novamente com o papel de palhaço da “esquerda” oficial (que atua como a direita a serviço do massacre do Brasil).

Devemos levantar as bandeiras de luta capazes de salvar os trabalhadores da crise

Clique na imagem para saber mais sobre as bandeiras de luta

Muitos dos manifestantes de base que participam das manifestações, buscam resolver os seus problemas no atual contexto de recessão generalizada, do aumento da carestia da vida e do desemprego.

O “Fora Bolsonaro” acaba servindo como catalizador desse estado de ânimo.

O sentimento generalizado é que Bolsonaro deve sair já e não esperar 2022. É o sentimento popular refletindo a política de massacre generalizado imposta a partir das eleições de 2018 que foram as mais fraudadas desde 1925.

O sucateamento da educação e da saúde é perceptível, apesar de às vezes ficar confuso em cima da propaganda das Vacinas Já que é a política dos grandes laboratórios e da política genocida do grande capital e do imperialismo.

Devemos levantar a política de 15% do PIB para a saúde e 15% para a educação, até porque com um povo doente e sem educação não há progresso possível.

O dinheiro para isso? É muito simples. Pode vir do cancelamento da ultra corrupta e nunca auditada dívida pública que consome mais de 40% do Orçamento Público Federal ou de um dos outros dos mecanismos de espoliação financeira do Brasil.

É preciso aplicar um grande programa de obras públicas capaz de gerar milhões de empregos e de movimentar a economia. Mas para isso é preciso dar um basta à sangria dos recursos públicos direcionada aos lucros dos grandes capitalistas.

Estas medidas somente podem ser possíveis por meio de um governo de trabalhadores, a serviço dos trabalhadores.

Para agirmos já nesse sentido devemos levantar com energia as verdadeiras bandeiras de luta que podem retirar os trabalhadores e o povo brasileiro da crise.

Levante ! Organize-se! Lute!
A hora de Lutar é Agora!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria