As passeatas contra Bolsonaro de 19 de junho (Fotos)

A retomada das manifestações nas ruas e as eleições 2022

Publicado originalmente em: PCPB

O que vale uma eleição no contexto atual? Isso pode trazer mudanças profundas?

E a conciliação de classes que Lula fez de maneira magistral nos seus governos pode repeti-la hoje? Ou será uma conciliação muito mais à direita?

O que vale para a política revolucionária entrar numa política submetida ao imperialismo?

A saída para a brutal crise atual é institucional ou o povo mobilizado nas ruas?

Estas perguntas se tornaram críticas considerando a aproximação das eleições de 2022 e a retomada das manifestações nas ruas, depois de quatro anos de congelamento, embora direcionadas pela via institucional.

O contexto geral é o da crise capitalista mais profunda de toda a história com o crescimento imparável dos volumes obscenos de capitais fictícios, que pendem qual uma “espada de Damocles” sobre as cabeças do mundo capitalista.

As burguesias e o imperialismo buscam desesperadamente uma saída para a crise. Esta tem se tornado cada vez mais impossível pelas vias tradicionais devido à impossibilidade de colocar em pé uma política alternativa ao chamado “neoliberalismo”.

Com a “pandemia”, os repasses de recursos públicos aos grandes capitalistas têm se tornado obscenos. Isso é a base da disparada dos preços das matérias primas e da carestia da vida.

Com o objetivo de conter a crise, as burguesias e o imperialismo têm imposto brutais estados de sítio, disfarçados de confinamentos pela “pandemia”, rebaixado as condições de vida dos trabalhadores e das massas de maneira escandalosa, impulsionado o fascismo e as ditaduras militares semi disfarçadas. E o mais central, direcionam o mundo a uma grande guerra como o componente central da sua crise.

Os problemas reais dos trabalhadores e dos povos

Enquanto a crise capitalista avança rumo a confrontos ainda mais duros, as burguesias e o imperialismo tentam canalizar o cada vez mais profundo descontentamento pelas vias institucionais.

No Brasil, até retiraram (pelo menos temporariamente) os processos criminais contra Lula, que agora voltou à ação política. Cabe destacar que Lula agora é um destacado militante do Grupo de Puebla, teleguiado pelo Partido Democrata de Joe Biden e Kamala Harris.

Os trabalhadores e o povo brasileiro precisam de mais comida, empregos, saúde, educação, transporte.

As eleições de 2022 poderão resolver esses problemas gravíssimos em benefício do povo brasileiro?

Lula pode vencer as eleições? Ou fará o papel de palhaço que o PT e a “esquerda” oficial fizeram em 2018 para legalizar a vitória do bolsonarismo? E que o repetiu em 2022.

E no caso, muito pouco provável, de Lula vencer as eleições reverterá os brutais ataques impostos pelo bolsonarismo contra o povo brasileiro? E a doação da Vale de 1999? E as concessões de TVs e rádios que são tratadas como capitanias hereditárias? E a destruição do Brasil operada pela Operação Lava Jato? E os “acordos” impostos pelo imperialismo contra os trabalhadores e a soberania nacional?

Sobre os programas assistenciais devemos lembrar que, quando a luta de classes está acirrada o povo apresenta a tendência ao ascenso, à luta, eles têm como objetivo por um curativo para um tumor e principalmente manter o povo controlado.

Precisamos unificar as palavras de ordem em torno à luta. É uma questão urgente.

Devemos ir às ruas no dia 19 de junho para gritar:

Fora o Governo Bolsonaro e o massacre do povo brasileiro!

Chega de geladeiras vazias e cemitérios cheios!

Levante Brasil!

close

🕶 Fique por dentro!

Deixe o trabalho difícil para nós. Registe-se para receber as nossas últimas notícias directamente na sua caixa de correio.

Nunca lhe enviaremos spam ou partilharemos o seu endereço de email.
Saiba mais na nossa política de privacidade.

Artigos Relacionado

Deixe um comentário

Queremos convidá-lo a participar do nosso canal no Telegram

¿Sin tiempo para leer?

Ouça o podcast da

Gazeta Revolucionaria